«

»

jun 07

Especialista Jurídica: Seria a Fluoretação uma Experiência Humana sem Consentimento?

GD Star Rating
loading...

 

A cessação de todos os regimes de fluoretação obrigatórios da água devem ser o objetivo de todos os órgãos de saúde pública, legisladores éticos e cidadãos informados“, argumenta  Rita Barnett-Rose,  professora de direito associada da universidade Chapman,  (online agosto 2014), relata o New York State Coalition Opposed to Fluoridation (NYSCOF).

As evidências de danos do flúor são ignoradas, minimizadas ou não estudadas; benefícios exagerados e consentimento informado desconsiderados. “As alegações de que a fluoretação não é medicação em massa não são convincentes“, escreve ela.

Depois de cientistas refutarem a teoria de 1945 assumindo que o flúor ingerido era essencial para dentes saudáveis, os promotores de fluoretação especulam recentemente, sem provas, que os benefícios de fluoretação em crianças de baixa renda que têm mais cáries e menos acesso a cuidados dentários – um problema que persiste até hoje, apesar de sete décadas de fluoretação. Na verdade, as divergências socioeconômicas da odontologia aumentaram.

O  Conselho Nacional de Pesquisa  dos EUA reconhece que uma pesquisa significativa do flúor na saúde ainda ser feita – especialmente sobre o efeito do fluoreto no cérebro jovem.

Utilizando jurisprudência, pareceres jurídicos e relatórios científicos, Barnett-Rose argumenta que os sistemas de fluoretação permitem que as autoridades de saúde pública faça experimentos em seres humanos sem o seu consentimento.

Adicionar uma droga ao abastecimento de água para tratar ou prevenir a doença de cárie dentária é, sem dúvida, uma intervenção médica, e o fato de que os riscos desta droga ainda estão sendo determinados pelos órgãos públicos, apoia o argumento de que a fluoretação da água é uma experiência médica humana em curso“, escreve ela.

A imposição contínua de sistemas de fluoretação obrigatória da água viola inúmeros protocolos de pesquisa éticos e legais em humanos“, afirma Barnett-Rose.

Não é mais aceitável que as autoridades de saúde pública simplesmente ignorem os dados negativos existentes e continuem a insistir que os níveis de  flúor que crianças e adultos estão recebendo diariamente são sem qualquer consequências graves para a saúde“, escreve ela.

O advogado Paul Beeber, presidente da NYSCOF diz: “Os políticos tem uma mão pesada na política da fluoretação e promoção, a qual parece proteger os grupos de interesses especiais, empresas e agências governamentais, em vez do público americano [e brasileiro] que são cobaias involuntárias neste experimento de fluoretação em curso.”

Barnett-Rose escreve: “Tirando as políticas e agendas de longo prazo do contexto, os riscos de cárie dentária, embora talvez ainda significativos para uma minoria de indivíduos, são significativamente compensados ​​pelos encargos dos direitos humanos, custos econômicos e os riscos de outras lesões corporais para a maioria das pessoas afetadas”.

Leia mais:

Revista The Lancet: O Flúor é uma Neurotoxina!








 
Estudo da Universidade Harvard Relaciona o Flúor na Água com o Autismo, Desordens Mentais e TDAH






Água fluoretada, uma Herança Nazista











Fontes:
Blog Anti Nova Ordem Mundial: Especialista Jurídica: Seria a Fluoretação uma Experiência Humana sem Consentimento?
– Disinformation: Legal Scholar: Is Fluoridation an Illegitimate Human Experiment?
– Fluoride Action
– Selected Works of Rita Barnett-Rose: Compulsory water fluoridation: Justifiable public health benefit or human experimental research without informed consent
M e D India: IADR Study Shows Steep Decline in Tooth Loss, Increase in Socioeconomic Disparities

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>