«

»

mai 09

[VIDEO] Transplantes de Fezes em Ascensão

GD Star Rating
loading...
http://www.anovaordemmundial.com/2014/05/video-transplantes-de-fezes-em-ascensao.html

Disinfo

 

A idéia de fezes de outra pessoa serem implantadas em seu corpo não pode parecer muito boa, mas por outro lado o bombeamento de produtos químicos em seu corpo, muitas vezes revela-se fatal. Denise Grady relata para o New York Times que a cura “natural” para as infecções Clostridium difficile é muito mais eficaz do que os antibióticos: 

O tratamento pode parecer chocante, mas funciona.

O transplante de fezes de uma pessoa saudável para o intestino de uma pessoa que está doente pode curar rapidamente infecções intestinais graves causados ​​por um tipo perigoso de bactérias que os antibióticos muitas vezes não conseguem controlar.

Um novo estudo descobriu que tais transplantes curaram 15 das 16 pessoas que tinham infecções recorrentes com bactérias Clostridium difficile, enquanto que os antibióticos curaram apenas 3 das 13 e 4 das 13 pacientes em dois grupos de comparação. O tratamento parece funcionar ao restaurar o equilíbrio normal do intestino de bactérias, que lutam contra C. difficile.

A ideia de usar fezes de outra pessoa para curar uma doença está aparentemente em rápido crescimento, incluindo instruções para tentar isso em casa, veja um trecho do artigo do site Mosaic:

Este é o quão longe uma mãe pode ir.

Sua filha está doente há mais de quatro anos com uma doença auto-imune grave que deixou seu cólon em carne viva com úlceras sangrentas. Depois de vários médicos e medicamentos falharem, você está inquieto para ela ficar melhor. Em seguida, você manda sua doença embora, praticamente durante a noite, com um único ato de amor. “Quem não faria isso por sua filha?”, Você diz. É como um milagre, você diz. “Uma varinha mágica durante a noite.”

Você concordou em fazê-lo novamente – duas vezes – para estranhos. Você viu em primeira mão o quão eficaz pode ser, e você se sentiu tão mal pelos pacientes e suas famílias. Se você tivesse doado sangue ou plasma, ninguém iria nem piscar. Mas isso? Você não pode contar a ninguém sobre isso por causa de como eles reagiriam.

Há mais como você, homens e mulheres que deram aos seus entes queridos um alívio notável de um grupo de condições crônicas conhecidas como doença inflamatória intestinal. Há muitos mais que tem curado os pacientes de uma bactéria potencialmente fatal conhecida como Clostridium difficile. Este micróbio pode persistir em um esporo casulo por até cinco meses, impermeável ​a quase tudo, exceto água sanitária. Ele está rapidamente se tornando resistente a todos os antibióticos.

Você insiste em “Marion” como um pseudônimo. Você diz do tratamento de sua filha: “Eu não falo com ninguém sobre isso. Eu disse às pessoas que substituímos suas … ” e você faz uma pausa,” bactérias doentes ​​por bactérias saudáveis. Eu não entrei em detalhes.”

Aqui estão os detalhes: você foi o doador em um transplante de microbiota fecal. Você deu a sua filha o seu cocô.

O cocô é um veículo de entrega decididamente imperfeito para um tratamento médico. É confuso. Isso fede. É incoerente, para não mencionar um pesadelo regulamentar. Mas ele pode ser extremamente potente. Um estudo clássico de nove voluntários saudáveis ​​britânicos descobriram que as bactérias responsáveis ​​por mais de metade da massa de seus sólidos fecais. Essa concentração impressionante de micro-organismos, tanto vivos quanto mortos, faz sentido quando se considera que as colonias microbianas que habitam o nosso trato gastrointestinal superam nossas próprias células cerca de três para um, em estimativas recentes…

“Há tanta coisa acontecendo em todo o microbioma humano agora, há tanta pesquisa, que eu pessoalmente acho que isso é apenas a ponta do iceberg”, diz o gastroenterologista David Shepard. “O que estamos fazendo agora com esses transplantes fecais é um método muito rudimentar do que nós provavelmente iremos fazer com os pacientes em cinco a dez anos.”

Até o início de abril de 2014, cerca de 30 ensaios clínicos de transplante fecal estavam em andamento ao redor do mundo. Cerca de metade foram destinadas a C. diff., incluindo dois testando a terapia em combinação com vancomicina, e outro estudo multicêntrico avaliando a eficácia entre as fezes frescas e congeladas.

Enquanto a terapia torna-se mais amplamente estabelecida, através de algo semelhante a uma “pílula de cocô” ou “crapsule” (no inglês de crap=cocô) , talvez as C. diff comecem a diminuir. Mais médicos então podem se sentir encorajados a explorar a forma como os nossos flora intestinal pode afetar não só o sistema gastrointestinal, mas também os sistemas imunológicos e neurológicos. Pelo menos uma dúzia de ensaios estão agora investigando se o transplante fecal pode ajudar a tratar de alguma forma de doença inflamatória intestinal, seja a doença de Crohn ou colite ulcerosa. Outros estão pesquisando a diabetes tipo 2, e um está mesmo usando doadores magros para testar transplantes fecais em pacientes com síndrome metabólica. Os pesquisadores dizem que não demorará antes que eles sejam acompanhados por estudos que investigarão se a terapia pode ajudar doenças como esclerose múltipla e autismo.

Apesar de todo o ridículo, aversão e vergonha, não podemos mais negar o poder emergente do cocô. Talvez seja a hora de ultrapassar o nojo e começar a mandar a merda. E fazê-lo com orgulho.

Three ways to perform faecal transplants. From left: colonscopy, enema and sigmoidoscopy
Três formas de transplante fecal

AVISO: [Para aqueles de vocês seriamente interessados, abaixo está um vídeo pretendendo mostrar como preparar um transplante enema fecal em casa, mas é por sua conta, se você decidir experimentá-lo – não nos responsabilizamos]

 

Participe também da discussão no Fórum Anti-NOM

Fontes:

Disinformation: Fecal (Poo) Transplants on the Rise
– Mosaic: Medicine’s dirty secret
Disinformation: When Antibiotics Fail, Fecal Transplants Work

[VIDEO] Transplantes de Fezes em Ascensão, 10.0 out of 10 based on 1 rating

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>