«

»

mai 09

A Criação de um “Novo Israel”, um Estado Judeu no Sudeste do Texas

GD Star Rating
loading...
http://www.anovaordemmundial.com/2014/05/a-criacao-de-um-novo-israel-um-estado-judeu-no-sudeste-do-texas.html

 

Essa é a proposta de Allen Levene, candidato ao Congresso dos EUA, A Criação de um “Novo Israel”, um Estado Judeu no Sudeste do Texas.

O “Plano de Uganda” revisitado? Criação da pátria judaica no Sudeste Texas

Um candidato ao congresso dos EUA, chamado Allan Levene, propõe uma solução para o problema de Israel com os palestinos (desde 1948) através da criação de um segundo estado ‘israelense’ no leste do Texas. Sim, você leu isso direito. Texas Oriental. De acordo com o Times of Israel, a ideia de Levene só funcionaria se o”domínio eminente” fosse estabelecido pelo governo dos EUA e se Israel se retirasse para as fronteiras pré-1967. Isso prepararia o terreno para uma “Nova Israel” dentro dos Estados Unidos:

A ideia, resumidamente, é levar (através de domínio eminente) cerca de 8.000 quilômetros quadrados de terra pouco povoada na fronteira com o Golfo do México e dá-la a Israel como uma segunda parte, não contígua do Estado de Israel. Israel teria a terra se apenas se comprometesse a retirar-se para suas fronteiras pré-1967

Eu ficaria curioso para ver como os texanos reagiriam a uma pátria judaica no leste do Texas. Além disso, uma das maiores organizações pró-Israel nos Estados Unidos estar localizada em San Antonio, no Texas, chamada “Cristãos Unidos por Israel (CUFI) ‘que desejam educar os cristãos sobre o porquê eles devem apoiar o Estado de Israel:

Enquanto milhões de cristãos apoiam Israel, existem outros milhões que ainda vocalmente não defendem o Estado judeu. É fundamental educar os cristãos sobre os imperativos bíblicos e morais para apoiar Israel e para construir o apoio cristão a Israel em toda a América

Se o plano de Levene seguir até que ele seja eleito para o Congresso, os texanos ainda apoiariam um estado de Israel em seu próprio quintal? Mas Levene diz “todo mundo ganha” se o governo dos EUA concordar em dividir o estado do Texas:

Israel vence porque iria ganhar um novo território, pacífico, longe das lutas do Oriente Médio, em um lugar onde, como Levene sugere, o clima é semelhante, e Israel poderia “ter acesso ao Golfo do México para o comércio internacional“. Os EUA ganhariam porque já não precisariam enviar a Israel bilhões de dólares por ano em ajuda externa. O Texas ganharia, porque todos teriam trabalho de construção de um Estado inteiramente novo dentro de suas fronteiras. Os palestinos ganhariam, porque eles têm a Cisjordânia e Israel, porque agora, também, começariam a ver o quão divertido é ter um estado não-contíguo. Todo mundo ganha!

O pai do sionismo moderno-político, e fundador do Estado de Israel, Thomas Hertzl, havia considerado um número de locais, incluindo Uganda, Argentina e até mesmo o Alasca para formar um estado sionista de Israel. The Times of Israel também declarou:

E, de fato, é uma ideia com muito precedente. Theodor Herzl abraçou temporariamente uma proposta britânica para estabelecer uma pátria judaica em Uganda (embora a reação contra a ideia quase tenha destruído o movimento sionista). E em 1938-40, vários planos circularam para acomodar refugiados judeus europeus nos territórios do Alaska – uma noção que mais tarde inspirou o romance de Michael Chabon, “The Yiddish Policeman’s Union“.

Essa ideia, de um Estado judeu, além de um baseado na Palestina, não é nova. Um evento interessante aconteceu em Basel, na Suíça em 26 de agosto de 1903. Antes do governo britânico oferecer o país da Palestina para o movimento político sionista em 1948, um país da África chamado Uganda estava na lista de possíveis futuros assentamentos judaicos conhecidos como o “Plano de Uganda”.

Antes da Palestina se transformar em Estado de Israel, Uganda foi vista como uma possível casa para o povo judeu que foram perseguidos na Rússia. Eles estavam sujeitos a sentimentos anti-semitas entre a população russa. Outras regiões do mundo também foram considerados para uma pátria judaica, incluindo a Patagônia, parte sul da Argentina.

Em ‘Jewish Literacy“, de José Telushkin: As coisas mais importantes a saber sobre a religião judaica, seu povo, e sua história, expôs um fato histórico de que “a Grã-Bretanha entrou em cena, oferecendo a Herzl terras numa área muito pouco desenvolvida de Uganda (hoje, seria considerado uma área do Quênia).” A proposta era controversa para a comunidade judaica. A ideia foi rejeitada no Congresso Sétimo sionista em 1905. É interessante notar que um pequeno número de famílias judias que imigraram para o Quênia antes e depois da Segunda Guerra Mundial, principalmente na capital Nairobi. Hoje, há algumas centenas de quenianos judeus que vivem em Nairobi.

É difícil imaginar o estado de Israel na África. Além disso, o racismo em Israel é comparável ao Apartheid da África do Sul na década de 1960. Como os etíopes judeus negros que vivem em Israel enfrentam níveis sem precedentes de racismo, incluindo as esterilizações forçadas em mulheres etíopes. De acordo com um relatório do Haaretz em 2012 informou que, “As mulheres que imigraram da Etiópia, há oito anos dizem que foram informadas de que não seria permitidas em Israel, a menos que elas concordassem em serem injetadas com a droga de controle de natalidade Depo Provera, de acordo com um relatório de investigação foi ao ar sábado pela Televisão Educativa de Israel no programa “Vacuum”. Segundo a IRIN, uma notícia de análise humanitária lançada pelo escritório da Organização das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) em 2012, o racismo contra judeus etíopes em Israel existe:

Estima-se que 125 mil judeus etíopes vivem em Israel, mas ao mesmo tempo eles deveriam ser cidadãos plenos, com direitos iguais, a comunidade continuou a enfrentar discriminação socioeconômicos e dificuldades generalizadas, de acordo com seus líderes. Uma recente decisão – como relatado pela imprensa local – por 120 proprietários a não vender ou alugar seus apartamentos para famílias israelenses-etíope trouxe a discriminação contra judeus etíopes em Israel de volta aos holofotes.

Centenas de israelenses etíopes tomaram as ruas em 18 de janeiro para protestar contra o movimento pelos proprietários no sul da cidade de Kiryat Malakhi – cidade natal de Shay Sium.

Uma parte interessante da história é fazer a pergunta: E se Israel fizesse da Uganda, um país no leste da África, a sua casa? Se os palestinos, etíopes e judeus sefarditas sofrem racismo na atual Israel, imagine se a Uganda fosse transformada em uma pátria judaica? Teria sido uma outra Palestina? Vamos escolher Palestina ou Argentina? Thomas Hertzl escreveu. Argentina? Isso teria sido interessante, mas Texas oriental como o “Novo Israel“? Será que os texano de agora seriam os novos palestinos? A criação de um Estado por meio de “domínio eminente” iria tratar os cidadãos de Texas como tal. E com certeza não será um bom começo para as relações diplomáticas.

O que é interessante sobre Allan Levene é que ele está concorrendo a uma cadeira no Congresso em dois estados, no Havaí e Geórgia, pelo Partido Republicano, mas não no estado do Texas.

Outra observação muito interessante sobre a candidatura de Levene é que “Ele também quer colocar as teorias da conspiração para descansar e investigar catástrofes nacionais com não um, não dois, mas três comissões separadas.

Na verdade, eu concordo com a sua ideia para novas comissões, talvez uma nova “comissão 911?” a proposta de Allan Levene não iria acontecer tão cedo, mesmo que ele fosse eleito.

Mas a verdadeira pergunta que devemos fazer é, se Washington e Bruxelas considerarem a criação de um “Novo Israel” no leste do Texas, e se uma guerra vir a ter lugar no Oriente Médio, resultando na destruição de vários países, incluindo Israel? Ele faz levantar um debate sério.

Fontes:

Fórum Anti Nova Ordem Mundial: A criação de um “Novo Israel”, um Estado judeu no Sudeste Texas (tradução @Aspirina)

– Global Research: Creating a “New Israel”, a Jewish State in Southeast Texas

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>