«

»

abr 14

Qual é o Estágio do Programa de Depopulação Global?

GD Star Rating
loading...

Blog Anti-NOM

Veja neste artigo a história da agenda de despovoamento do planeta, e as antigas e novas estratégias de diminuição forçada da população. Estaria a elite impondo estratégias de depopulação tais como vacinas, chemtrails e transgênicos, por ter conhecimento que suas metas para manter a população sob controle não serão alcançadas e que o planeta entraria em colapso?

“Os governos e a comunidade internacional agora existem principalmente para ocultar a verdade e violar a lei porque essa é a única maneira em que podem eliminar a grande maioria das linhas genéticas dos humanos.”

Nota Blog Anti-NOM: gostaria apenas de fazer uma ressalva em relação ao artigo e em especial na entrevista com Kevin Galalae, onde ele parece concordar com a ideia da super-população e da necessidade de uma intervenção para evitar um colapso do planeta, e de que alguma forma a elite teria razão ao querer diminuir parte da população, mesmo que ele não concorde com os meios agressivos utilizados. Este blog não partilha da mesma opinião em relação ao conceito da super-população, e muito menos com intervenções forçadas aos humanos, como já demonstramos em alguns artigos. Veja por exemplo “O Mito da Superpopulação” e “Dan brown, autor de ‘O Código Da Vinci’, Faz Declarações Assustadoras Sobre a Redução Populacional“. De qualquer forma, traduzimos o artigo e deixamos aqui para que o leitor possa tirar suas próprias conclusões.

Ao longo dos últimos 15 anos temos aprendido sobre o programa de depopulação global. Este programa foi criado na década de 1940, dizem alguns, em um esforço para acabar com a maior quantidade de pessoas possível. A razão para querer depopular a Terra ainda não está clara, mas se houver consenso entre os pesquisadores com conhecimento de causa, na verdade se está matando suavemente e sem aviso prévio.

Enquanto muitos pesquisadores creem que a decisão da elite se baseou em sua evolução de uma suposta futura superpopulação e como esta poderia colocar em perigo a nós mesmos e ao planeta, outros estudiosos tem reunido de forma independente informações que mostram que a elite iniciou seu programa de depopulação em um desejo de utilizar a humanidade como uma mercadoria que poderia ser eliminada posteriormente. Este programa não começou há 74 anos atrás, e sim há 200 anos.

Partindo do fato que o programa de depopulação é amplamente conhecido, uma pergunta que deve ocorrer à todos é: Qual é o estado deste programa depois de ter entrado na segunda década do século 21?

A resposta a essa pergunta é que o programa de depopulação está sendo executado em etapas muito avançadas. No ocidente, liderado pelos EUA, foi posto em andamento uma série de políticas com a única intenção de reduzir drasticamente o número de humanos em um intento de frear o que muitos creem que seja um crescimento da população fora de controle. O fato de que as taxas de reprodução estão fora de controle continua sendo também discutido, mas os pesquisadores do programa de depopulação global estão agora dando mais atenção a educação das massas sobre a realidade da depopulação global, de modo que possam tomar o assunto em suas próprias mãos.

Em uma recente entrevista com Kevin Galalae, um autor e historiador que muitas vezes contribui para esta publicação. Galalae proporcionou uma boa ideia acerca da progressão do programa de depopulação global. Galalae, que tem escrito uma série de artigos sobre o tema para o The Real Agenda, nos tem alertado de que as políticas que regem o plano para redução do número de seres humanos na Terra estão progredindo rapidamente. Segundo ele, as elites estão usando métodos que são mais e mais invasivos porque os anteriores já não atendem mais suas expectativas. Galalae acredita que a elite entende a suposta superpopulação como uma bomba relógio e decidiu secretamente livrar-se de nós, já que eles assumiram que nos educar sobre a necessidade urgente de conscientemente manter nossos números sob controle era uma tarefa impossível.

A última incorporação ao programa de depopulação global é a geoengenharia planetária, também conhecida como geoengenharia climática. Esta ferramenta originalmente começou a ser utilizada na década de 1940 como uma maneira de controlar o clima. No entanto, pouco tempo depois, os governos se deram conta de que controlar o clima seria sinônimo de controlar seus inimigos. Hoje em dia, a humanidade é o principal inimigo da elite. Sempre foi. Somos todos os que se interpõem entre eles e o seu objetivo de que a população humana seja reduzida a somente 500 milhões de pessoas.

A mudança de planos

Ao discutir sobre os esforços realizados pela elite para alcançar níveis de depopulação satisfatórios, é claro que talvez a elite tenha calculado mal. Talvez a humanidade tenha superado suas mentiras para conhecer a verdade. Então eu decidi perguntar ao senhor Galalae sobre o progresso do plano de depopulação global

Luis Miranda: De acordo com o seu conhecimento, há cerca de 68 anos atrás, a elite tentou começar a redução da população humana em segredo usando armas químicas e biológicas. Prevê-se que este plano reduziria consideravelmente a população. Como?



Kevin Galalae: A princípio, nos anos cinquenta, o objetivo era simplesmente deter o crescimento da população para que ele se concentrasse exclusivamente na diminuição da fertilidade humana para reduzir a taxa global de fecundação (TGF) de cada país a nível de reposição populacional. Não era previsto as implicações deste plano. Não se deram conta de que isto poderia caminhar para uma transição demográfica que se traduziria em perfis de população caracterizado por pirâmides invertidas e pelo tanto de carga que os anciões se colocariam sobre os membros produtivos da sociedade e que isto seria impossível de manter e que causaria o colapso dos sistemas sociais dos países desenvolvidos, corroendo a influência acumulada pelas gerações anteriores. Não se deram conta de que uma vez iniciada, a engenharia de pequenas famílias resultaria em te que matar os anciões e os enfermos antes que se sucedesse a falência da sociedade. Não se deram conta das incríveis ramificações econômicas, sociais, culturais políticas, éticas, morais e médicas ao interferir no sistema reprodutivo humano. Ninguém sabia onde tudo acabaria. Ninguém poderia prever.

Luis Miranda: Se o programa de depopulação não tem tido os resultados que a elite esperava, quando chegará a esse ponto?



Kevin Galalae: Não há metas a princípio. Não havia um plano de longo prazo que vislumbraria resultados em décadas no futuro. O conhecimento desse plano e a visão, assim como os dados estatísticos e a potência de cálculo que permitiriam saber projeções a longo prazo, eram inexistentes. No seu início até a década de 1970 a comunidade internacional, encabeçada pelos EUA e pela URSS, estava mais que comprometida no desesperado intento de fazer frente as consequências devastadoras da Segunda Guerra Mundial e de evitar a repetição da história que terminaria na aniquilação mútua devido ao desenvolvimento das armas nucleares.

Até a chegada de Nixon ao poder, o calendário de controle populacional sempre foi ditado pela necessidade de manter-se a frente da escassez de recursos e a fome sempre iminente e eles se deram conta de que tinham que globalizar a economia para facilitar a transferência de bens e serviços através das fronteira nacionais a fim de responder melhor as situações de crises, e para distribuir melhor os benefícios do desenvolvimento. Foi quando a globalização começou. E isso foi quando um programa de depopulação agressivo se tornou inevitável. Por que? Porque uma vez que viram os números claro como a luz do dia de que o planeta poderia manter apenas um bilhão de pessoas com o padrão de vida da América do Norte e os Estados Unidos sempre insistiram na proteção de sua forma de vida, como o resto dos países ricos e as pessoas ao longo da história.

Hoje, o número ideal de pessoas que a terra pode suportar continua sendo uma decisão política que ainda não foi feita e que está sendo e continuará sendo ditada pelo estilo de vida que queremos ter como espécie. A coexistência pacífica determina que para evitar os conflitos armados devemos compartilhar a riqueza a nível mundial sem distinção de raça ou nacionalidade ou religião. A globalização nos permite compartilhar recursos da terra e sem prejuízo para alcançar a prosperidade global. Nos obriga a mover-nos em conjunto e em paz para uma civilização global próspera. Mas para chegar a este objetivo não temos mais escolha a não ser parar e reverter os números. Quantos seres humanos viveriam no planeta será ditado pela forma que queremos viver, pela quantidade de recursos que queremos ter a nossa disposição por habitante e a quantidade de terra que podemos ter sem desestabilizar suas economias. Com a tecnologia atual, meu palpite é que a Terra não pode manter mais do que 1 bilhão de pessoas.

Luis Miranda: O quanto tem sido esse plano bem sucedido? Estão tendo êxito os esforços para manter-se em dia com a taxa de reprodução? Em outras palavras, se o plano for mantido, cumprirá com seu objetivo de chegar a um pico de 9 bilhões de pessoas em 2040? Se não, iremos alcançar esse ponto máximo em 2050 ou 2060?



Kevin Galalae: Tem sido uma batalha difícil, a maior batalha jamais empreendida, como foi dada contra aos inimigos naturais mais poderosos já que a necessidade de procriar e o instinto de sobrevivência são muito poderosos. Cada meta estabelecida no passado para reduzir a taxa global de fertilidade de todos os países da Terra já foi perdida. Hoje, muitos países tem de obter essa meta, a Índia é o mais populoso nessa lista. Os métodos químicos, biológicos, psicossociais e econômicos, tanto públicos como secretos empregados até agora, tem atingido apenas um êxito parcial. É por isso que se tem desenvolvido os Organismos Geneticamente Modificados. Os OGMs (ou transgênicos) representam a última esperança da comunidade internacional para deter e reduzir a população humana de maneira oculta. Mas a julgar pela resistência global contra os transgênicos e pelo fato de que eu exponho a Política de depopulação Global, o plano não terá êxito. É por isso que os políticos e os líderes mundiais devem mostrar coragem e que estão unidos frente ao mundo para anunciar e implementar uma política abrangente e universal de um só filho para as próximas três gerações ou até que os nossos números sejam baixos o suficiente para restaurar o equilíbrio natural. Sem esse tipo de liderança para levar o esforço da depopulação ao conhecimento público, enfrentaremos desastres e conflitos globais.

Luis Miranda: Por que considera que citar o equilíbrio populacional em 2040 calculado pela elite como uma falácia? É porque não irá acontecer, ou porque as pessoas o usam como se tal equilíbrio seja consequência da riqueza e do desenvolvimento?



Kevin Galalae: O último. A falácia é a noção de que as taxas de fertilidade baixas e famílias pequenas são o resultado natural do desenvolvimento e da riqueza. Isto é um mito que se criou para ocultar o feito de que as taxas de fertilidade baixas e famílias pequenas são o resultado dos métodos de controle da população: flúor na água, BPA nos plásticos, vacinas, HIV/SIDA, a escassez artificial causada pela manipulação econômica deliberada, as leis eugenistas e uma bateria de métodos psicossociais desenhados para minar a família.

Aqueles que negam a superpopulação no entanto, utilizam este mito para demonstrar que não há necessidade de controle de população devido ao fato da população mundial estar se estabilizando em 9 bilhões. Não se dão conta de que a razão de que a população se estabilizaria em 9 bilhões seja porque a comunidade internacional conta com uma bateria de métodos ocultos para acabar com a fertilidade humana e a unidade da família e que eles fizeram isso em segredo desde 1945. A comunidade internacional (ONU, OMS, FMI, BM, etc) e o complexo militar industrial (em especial os dos EUA, Reino Unido e Rússia) – o cérebro e o braço da política da globalização / depopulação – que tem estado no controle do programa, não podem aceitar isto publicamente e se negam diretamente pela contínua necessidade de manter vivo o mito, um mito que se foi criado para ocultar a verdade.

Luis Miranda: Muitos pesquisadores que citam o número de 9 bilhões são conscientes do plano da elite para exterminar muitos de nós. Eles fazem referência aos dados, já que os leram em documentos globalistas.



Kevin Galalae: os dados dos documentos globalistas que atribuem o equilíbrio populacional ao excesso de riqueza e ao desenvolvimento o fazem com o fim de ocultar a verdadeira razão das baixas taxas de fertilidade, que são os métodos encobertos que descrevo em meus livros e artigos. A necessidade de proceder em segredo com medidas de depopulação gerou o engano para eludir os processos democráticos e o Estado de Direto. Os governos e a comunidade internacional agora existem principalmente para ocultar a verdade e violar a lei porque essa é a única maneira que podem eliminar a grande maioria das linhas genéticas dos humanos.

Luis Miranda: Os pesquisadores também citam o pico populacional de 9 bilhões de pessoas para fazer com que nós tomemos consciência apesar da elite ter planejado exterminar a muitos de nós e que a projeção da elite era ter uma população estável em 2040, que todavia continuam avançando mais forte com piores medidas de depopulação.



Kevin Galalae: A razão pela qual avançam com métodos cada vez mais agressivos de depopulação se deve aos métodos que se tem utilizado até o momento não terem sido suficientes para alcançar as metas estabelecidas previamente, por isso se tornaram mais desesperados. Tempos desesperados requerem medidas desesperadas. Agora estamos em tempo de vida ou morte. Já não tem uma margem de tempo, então recorrem a todas, por isso usam a tecnologia da geoengenharia, transgênicos e os vírus pandêmicos.

Luis Miranda: Poderíamos dizer que os pesquisadores independentes não podem explicar ao público que a elite está utilizando medidas mais agressivas, já que sua projeção inicial não irá se concretizar?



Kevin Galalae: Sim, este é realmente o caso. Além disso, o impacto ambiental se tornou crítico. Também são fundamentais as tensões sociais e econômicas, devido ao racionamento e a necessidade de compartilhar a mesma torta econômica com um número cada vez maior e pessoas, o que significa que cada indivíduo tem seu espaço reduzido dessa torta ano após ano, o que tem obrigado as autoridades a desencadear uma nova geração de métodos de controle da população, os quais são muito mais eficazes e muito menos sutis e que unicamente podem ser forçados em nós mesmo por um estado policial e por controles impostos pela força.

Eles não fazem porque gostam ou querem a tirania, mas sim, porque estamos diante do colapso. Eles calculam que um ataque preventivo evitará o caos. Eles calculam que a aniquilação da população controlada é preferível à desintegração da civilização mundial em um caos que ocorrerá se nada for feito. E enquanto eles estão certos de que algo deva ser feito, tão brutal como é, seja melhor do que não fazer nada. O mal é que se equivocaram em querer ir para cima de nossas cabeças e contra a nossa vontade.

A humanidade é melhor e mais inteligente do que eles nos dão crédito. Somos capazes de tomar o controle dos esforços para a depopulação. Podemos fazê-lo legal e abertamente com a cooperação da grande maioria de pessoa na Terra, o que fará com que a depopulação humana seja muito mais eficaz e permitirá que se preservem e fortaleçam os melhores traços da natureza humana, assim como a dignidade e a herança genética da humanidade, e de nossos direitos e liberdades. Os princípios de nossa conciência mostram como proteger nossos filhos, nosso planeta, nossa dignidade e nossa humanidade, enquanto ao mesmo tempo, se cumprem os objetivos impostos pelas ameaças existenciais que nós enfrentamos.

O que se destaca no caminho da alternativa que proporciono é uma crise de lideranças em parte superior e uma crise da participação na parte inferior. O que se destaca no caminho é uma crise geral de consciência.

Geoengenharia Global

Uma vez que as pessoas entendam que havia um esforço para reduzir drasticamente os números da população, tiveram que fazer frente a última arma usada pela elite para realizar a depopulação massiva. O programa de geoengenharia climática global que está sendo realizado pela elite é talvez a mais eficaz de todas as ferramentas que já tenham utilizado. Por que? Devido a diferença das vacinas, os organismos modificados geneticamente e outros métodos utilizados antes, pulverizando os céus com químicos tóxicos, asseguram que as pessoas sejam envenenadas sistematicamente, é algo que ninguém pode escapar. Todos temos que respirar, não?

Um homem que tem buscado respostas sobre a geoengenharia durante algumas décadas é Dane Wigington. O senhor Wigington é bem conhecido no movimento dos meios alternativos por suas apresentações profundas sobre o que muito chamam de “chemtrails“, os rastros químicos, que  na realidade são uma forma de geoengenharia. A elite tem estado no negócio, tem patentes e pessoas estão fazendo dinheiro com este programa – durante décadas e não vão deixar de pulverizar os céus com seus metais pesados porque descobrimos. Durante mais de 70 anos, a geoengenharia planetária tem deixado de ser um sonho da elite para se tornar realidade. O problema é que tem custado a humanidade mais do que ninguém acredita.

De acordo com a pesquisa do Sr Wigington, a geoengenharia tem causado e continua causando interrupções relacionadas com o clima, muitas das quais destinadas a destruir nações inteiras ou ocasionalmente em determinadas zonas do planeta. A geoengenharia global é responsável pela seca extrema, a redução do ozônio, a excessiva liberação de metano, a redução drástica do gelo marinho no Ártico, as reduções globais do conteúdo global de oxigênio, os oceanos estão à beira do colapso, mortes massivas de peixes, a extinção de pelo menos 200 espécies diferentes por dia, um aumento drástico do autismo, Alzheimer e demência, a redução dos bosques em todo o mundo, a esterilização dos solos, – o que torna impossível que as plantas cresçam sem sementes da Monsanto e resistentes a alumínio, e sim, o aquecimento global.

O senhor Wigington respalda suas afirmações com dados sólidos obtidos de NOAA, da Nasa, documentação de patentes que podem ser encontradas em sua página geoengineeringwatch.org. “O debate sobre se os programas de geoengenharia estão ativos agora é um ponto discutível. Contamos com dados suficientes para confirmá-los. Temos vídeos que mostram imagem de pulverização. Os materiais que aparecem em amostras de solo são exatamente os mesmos materiais mencionados nas numerosas patentes da geoengenharia“, disse Wigington.

“Nossa atmosfera é mais que um laboratório de física massiva da geoengenharia na qual é liderada por cientistas que não tem preocupação alguma pelas consequências para a humanidade ou a qualquer ser vivo, incluindo eles mesmos. Os experimentos estão literalmente destroçando o planeta e a destruição da vida na Terra.” Wigington explicou recentemente em uma conferência na Califórnia que não há nada como o clima ou o tempo natural. A elite por trás do programa da depopulação é agora capaz de manter grandes áreas do planeta em seca, enquanto inunda outra parte do continente usando a geoengenharia para fazer chover de maneira incontrolável.

Engenharia do clima como instrumento de guerra: O colapso da civilização

O uso oculto do governo das práticas da geoengenharia são mortais, que supostamente tratam de reduzir o aquecimento global mediante a modificação artificial dos sistemas climáticos da Terra através da redução da radiação solar e a eliminação de dióxido de carbono, está ameaçando seriamente a vida na Terra. Essa é a conclusão a que Dane Wigington chegou depois da realização de pesquisas profundas nas formas em que os produtos químicos aplicados sobre nós estão mudando o ambiente. Junto com a pesquisa do Sr. Wigington, documentários como What In The World Are They Spraying? ( lançaram mais luz sobre o programa de geoengenharia global. Estes documentários oferecem comentários e evidências científicas sobre os efeitos tóxicos deste tipo de programa sobre a vida humana e o impacto negativo nos ecossistemas e aos padrões climáticos.

Os programas globais de geoengenharia estão rasgando literalmente a atmosfera e modificando os padrões climáticos tão rapidamente a tal ponto, que eles estão fora de controle. Os sistemas de suporte vital da Terra, também estão sendo dizimados. As consequências letalmente tóxicas destes mesmos programas estão envenenando cada respiração que fazemos e a toda rede da vida. Se você pensa que isto é um absurdo, ou impossível, separe um tempo para examinar as provas. Os mesmos elementos essenciais necessários para manter a vida na Terra estão sendo imprudentemente destruídos por estes programas. Isto não é uma questão que irá nos afetar em vários anos, mas já está causando enormes quantidades de mortes de animais e plantas em todo o mundo, assim como doenças em humanos. Mas é este o objetivo, não é?

Leia mais:


[FILME CHEMTRAILS] POR QUE Diabos Eles Estão Pulverizando o Mundo? [Legendas PT-BR]







Geoengenharia Pretende Controlar Clima na Terra










Dan brown, autor de “O Código Da Vinci”, Faz Declarações Assustadoras Sobre a Redução Populacional


 

 
[LIVRO] A Política Global de Eugenia não é mais uma Teoria da Conspiração



[Dossiê] Vacinação Contra HPV Conheça o Perigo que ela Representa e Tome uma Decisão Informada







Fontes:

Blog Anti-NOM: Qual é o Estágio do Programa de Depopulação Global?

– The Real Agenda: ¿Cuál es el estado del programa de despoblación global? 

– GeoEngineering Watch

Qual é o Estágio do Programa de Depopulação Global?, 10.0 out of 10 based on 2 ratings

Artigos relacionados:

1 comentário

  1. André

    Leiam as 10 mensagens inscritas nas Pedras Guia da geórgia (a primeira em particular).

    Gostei or Não: Positivo 0 Negativo 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>