«

»

mar 11

EUA x União Europeia na Disputa pela Ucrânia

GD Star Rating
loading...

 

Já esta em dúvida a confiabilidade de um ‘vazamento’ feito pelo governo Obama para o New York Times onde chanceler Angela Merkel da Alemanha disse por telefone ao presidente Obama no domingo que, “depois de falar com Putin, já duvida que ele mantenha contato com a realidade”. 

Enquanto Merkel e outros políticos da União Europeia parecem querer acalmar a situação, a Casa Branca está sob pressão política doméstica para fazer mais de “alguma coisa”. Por isso, provavelmente, o New York Times publicou hoje, como se fosse um ‘vazamento’:[2]

A chanceler Angela Merkel da Alemanha disse por telefone ao presidente Obama no domingo que, depois de falar com Putin, já duvida que ele mantenha contato com a realidade – informaram fontes que receberam briefing do telefonema. “Parece estar noutro planeta” – disse a chanceler alemã.

Nada disso faz sentido. Não soa como comentário de Merkel e, pior, soa absolutamente estranho, como comentário dela. Duvido que ela tenha dito o que “fontes que receberam briefing do telefonema” disseram ao NYT que ela teria dito. Parece mais uma tentativa para desacreditar Merkel [aos olhos dos russos] e dificultar ainda mais, para ela, encontrar alguma solução em acordo com os russos e fora do controle dos EUA.”

Imediatamente, o governo alemão, através do conservador Die Welt, que apoia Merkel, desautorizou o NYT, negando a veracidade da citação publicada. Die Welt escreveu [traduzido al./ing./port]:[3]

A chanceler não está contente com o relato publicado no New York Times. Em nenhum momento e de nenhum modo Merkel disse ou teve intenção de dizer que Putin estaria agindo de forma irracional. Na verdade, ela disse a Obama que Putin tem perspectiva diferente [da de Obama] sobre a Crimeia.

Não, não, não sou apoiador nem defensor de Merkel. Mas, sim, há disputa, tanto entre EUA e União Europeia, como entre ‘leste’ e ‘oeste’, pela Ucrânia.

Sim, a União Europeia ferrou a própria estratégia para a Ucrânia, ao dar um ultimato a Yanukovich para que assinasse o acordo de associação à UE e, quando o ultimato foi rejeitado, a União Europeia agiu para instigar os tumultos em Kiev.

Mas o que os EUA estão fazendo é pior.

Os EUA obraram para sabotar o acerto de 21/2, que três ministros da União Europeia conseguiram negociar entre Yanukovich e sua oposição, e, na sequência, ordenaram um assalto de milícias fascistas armadas[4] contra o Parlamento ucraniano, para impor ali, ilegalmente ‘eleito’[5] um novo ‘presidente’ da Ucrânia. Agora, há seis membros do partido fascista, de seguidores de Bandera, o Partido Svoboda, no governo ilegítimo da Ucrânia.

Alguns políticos norte-americanos parecem[6] querer guerra com a Rússia.[7]

Mas os europeus têm interesses muito diferentes.

Todos os comentários favoráveis a Merkel, que aparecem publicados na sequência da matéria sobre ela em Die Welt apoiam a posição dos russos nesse conflito e rejeitam o governo dos fascistas na Ucrânia. E esse é jornal quase sempre conservador e muito pró-EUA. O público alemão, apesar da campanha de propaganda anti-Rússia, e como já se lê publicado no mais prestigioso veículo da imprensa-empresa alemã, absolutamente não está do lado dos EUA e de seus intervencionistas da OTAN.

Há uma longa ‘tradição’ de usar grupos fascistas nacionalistas contra a Rússia. A Rússia perdeu mais de 20 milhões de vidas na luta contra o fascismo e, para os russos, ver fascistas no governo de Kiev é ataque inadmissivelmente violento contra sua própria identidade nacional. Os russos conhecem a própria história e com certeza sabem quem está por trás daqueles fascistas de Kiev. ISSO, provavelmente, foi o que Merkel disse a Obama, quando falou da perspectiva de Putin.

O partido Svoboda e o Setor Direita na Ucrânia veem-se como continuação da tradição de Stepan Bandera, galego, ultra-nacionalista, terrorista brutal, fascista e, depois, agente que trabalhou para vários serviços secretos ‘ocidentais’. Livro muito revelador, arquivado nos Arquivos Nacionais dos EUA sobre “Sombras de Hitler – criminosos de guerra nazistas, inteligência dos EUA e a Guerra Fria” [orig. Hitler’s Shadows – Nazi War Criminals, U.S. Intelligence and the Cold War (pdf)][8] inclui um capítulo exclusivamente dedicado a “Colaboradores: inteligência aliada e a OUN, Organização dos Nacionalistas Ucranianos”. Copio aqui alguns excertos:

As operações britânicas através de Bandera expandiram-se. Um resumo do MI6, do início de 1954, registrava que “o aspecto operacional dessa colaboração [entre os britânicos e Bandera] desenvolvia-se  satisfatoriamente. Gradualmente se obteve completo controle sobre operações de infiltração e, apesar de o dividendo da inteligência ser baixo, foi considerado suficiente para que valesse a pena prosseguir (…)” 

Bandera era, segundo os que tinham contato com ele, “profissional da clandestinidade, com antecedentes de terrorista e noções implacáveis sobre as regras do jogo (…). Uma espécie de bandido, se preferirem, de patriotismo ardente e incendiário, o qual oferecia contexto ético e justificativa para seu banditismo. Nem melhor nem pior que outros desse gênero.

Em abril de 1959, Bandera outra vez pediu apoio da inteligência da Alemanha Ocidental e, dessa vez, Gehlen estava interessado. A CIA observou que “É visível que Bandera está procurando apoio para operações ilegais dentro da Ucrânia.” Os alemães ocidentais concordaram com apoiar pelo menos uma missão daquele tipo, baseados no “fato de que Bandera e seu grupo já não eram os degoladores que haviam sido” e porque Bandera “ofereceu provas de que seus contatos com agentes internos.” Uma equipe treinada e paga pelos alemães ocidentais cruzara, saídos da Tchecoslováquia, no final de julho; e os alemães prometeram apoio a Bandera para futuras operações, se aquela primeira fosse pelo menos “moderadamente satisfatória”.

Em junho de 1985, o General Accounting Office mencionou o nome de Lebed em relatório público sobre nazistas e colaboradores que se instalaram nos EUA com a ajuda de agências de inteligência dos EUA. O Gabinete de Investigações Especiais [orig. Office of Special Investigations (OSI)] do Departamento de Justiça começou, naquele ano, a investigar Lebed that year. A CIA temia que investigações públicas sobre Lebed pudessem comprometer a operação QRPLUMB e que o fracasso na proteção de Lebed desencadearia a ira da comunidade de emigrados ucranianos. Então, a CIA, para encobrir Lebed, negou qualquer conexão entre ele e os nazistas e o apresentou como combatente da liberdade da Ucrânia. A verdade, é claro, era mais complicada. Ainda no final de 1991, a CIA tentou dissuadir o OSI de aproximar-se dos governos alemão, polonês e soviético, em busca de relatórios de guerra ou relacionados à guerra, que tivessem a ver com a Organização dos Nacionalistas Ucranianos (OUN). O OSI acabou por abandonar o caso, incapaz de encontrar documentos definitivos sobre Lebed. 
Mykola Lebed, comandante de Bandera na Ucrânia durante a guerra morreu em 1998. Está enterrado em New Jersey, e seus papéis estão arquivados no Instituto Ucraniano de Pesquisa, na Universidade de Harvard.”

Há pouca dúvida de que os serviços secretos dos EUA e alguns políticos neoconservadores norte-americanos estão ainda mexendo as cordas de movimentos fascistas na Ucrânia.[9] Quem, senão eles, teria treinado aqueles fascistas, em países vizinhos (como diz Putin)? Agora, a russofobia desses mesmos personagens está ameaçando a paz na Europa. ****

[1] Moon of Alabama: Ukraine: More Thoughts and Comments

[2] The New York Times: Pressure Rising as Obama Works to Rein In Russia

[3] Die Welt: Merkels Drahtseilakt zwischen Putin und Obama

[4] https://www.youtube.com/watch?v=BV5Wm3qXfy4

[5] The Daily Beast: How Ukraine’s Parliament Brought Down Yanukovych

[6] Asia Times: US hawks take flight over Ukraine

[7] Washington Post: What is to be done? Putin’s aggression in Ukraine needs a response

[8] Archives Hitler’s Shadows – Nazi War Criminals, U.S. Intelligence and the Cold War PDF

[9] McClatchy DC: Ukraine: Through Putin’s eyes

Traduzido por Vila Vudu

Leia mais:

EUA e União Europeia: Juntos para Derrubar a Democracia na Ucrânia









Fontes:

Moon of Alabama: The EU U.S. Tug Over Ukraine Policy

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>