«

»

mar 03

As Mensagens Ocultas (e não tão ocultas) no “De Olhos Bem Fechados” de Stanley Kubrik – Análise Completa

GD Star Rating
loading...

De Olhos Bem Fechados” foi promovido como um filme de suspense estrelado pelo casal da vez na época: Tom Cruise e Nicole Kidman. Embora os atores estarem em lugar de destaque no filme, foram as coisas a sua volta que contaram a história verdadeira de “De Olhos Bem Fechados”. A atenção de Stanley Kubrik aos detalhes e simbolismo deu ao filme todo uma outra dimensão – que não pode ser vista por aqueles que têm os “olhos bem fechados”. Esta série de múltiplas partes vai analisar o simbolismo oculto do último filme de Kubrick.

Eu me lembro quando eu assisti ao “De Olhos Bem Fechados” pela primeira vez em 1999. Rapaz, como eu odiei. Eu odiei o quão devagar era o filme, eu odiei como Nicole Kidman tentou se parecer bêbada ou drogada e eu odiei ver Tom Cruise andar por Nova York parecendo-se preocupado. Eu acho que reagi da mesma maneira que os críticos na época em que o filme saiu e pensei: “Esse filme é chato e não há nada de interessante nele”. No entanto, naquela época, eu acho que meus olhos eram “bem fechados”. Mais de uma década depois, equipado com um pouco mais de conhecimento e paciência, eu assisti novamente o filme… e minha mente entendeu. Na verdade, como a maioria dos filmes de Stanley Kubrick, um livro inteiro poderia ser escrito sobre o filme e os conceitos que o aborda. “De Olhos Bem Fechados” é de fato não apenas sobre um relacionamento, é sobre todas as forças externas e influências que definem essa relação. Trata-se do eterno vai-e-vem entre os princípios masculino e feminino em um mundo moderno confuso e decadente. Além disso, mais importante ainda, é sobre o grupo que governa esse mundo moderno – a elite secreta que canaliza essa luta entre os princípios masculino e feminino em um meio específico e esotérico. O filme porém não especifica nada, tudo é comunicado através de símbolos sutis e misteriosos enigmas.

Stanley Kubrick morreu inesperadamente apenas cinco dias após a apresentação da edição final do filme à Warner Bros fazendo do “De Olhos Bem Fechados” seu canto final. Considerando que “De Olhos Bem Fechados” retrata uma sociedade secreta ocultista que elimina aqueles que cruzam seu caminho, algumas teorias surgiram sobre a morte de Kubrick e sua natureza suspeita. Será que ele iria revelar algo ao público muito em breve? Talvez.

Vejamos os principais temas da última criação de Kubrik.
O Casal Moderno

As estrelas do “De Olhos Bem Fechados” foram o par do momento em 1999: Tom Cruise e Nicole Kidman. Aqueles que estavam esperando o filme ser uma espécie de experiência voyeurista mostrando cenas quentes do casal, provavelmente ficaram muito decepcionados. O público teve ao invés um casal egoísta, frio e profundamente insatisfeito, que parecia estar amarrado junto, não por puro amor, mas por outros fatores, como a conveniência e aparências. Embora o casal seja muito “moderno” e de “classe alta”, as forças que os mantêm juntos são o resultado de um comportamento básico, primordial e quase animalesco. Se olharmos para o comportamento instintivo dos seres humanos e animais, os machos procuram principalmente por mulheres que têm boas qualidades fértis enquanto as fêmeas procuram um provedor forte. Resquícios desse comportamento ainda existem hoje, visto que os homens tendem a exibir riqueza e poder para atrair as fêmeas, enquanto as fêmeas mostram sua beleza para atrair os machos. Em “De Olhos Bem Fechados”, o casal segue perfeitamente esse script instintivo.

O personagem de Tom Cruise é chamado Dr. Bill… como na nota de um dólar. Várias vezes durante o filme, Dr. Bill mostra seu dinheiro ou seu “crachá médico” às pessoas para levá-las a fazer o que ele quer. Bill faz parte da classe alta e suas relações com as pessoas da classe baixa são muitas vezes resolvidas com dinheiro.

A fim de conseguir que este taxista o espere na frente da mansão da elite, Dr. Bill rasga uma nota de cem dólares e promete-lhe dar a outra metade quando ele voltar. O lema de Dr. Bill é, provavelmente, “Todo mundo tem um preço”. Será que a sua própria mulher tem um preço?

 

Interpretada por Nicole Kidman, Alice perdeu o emprego no mundo da arte e agora é totalmente bancada pelo salário do marido. Embora ela viva uma vida muito confortável, Alice parece estar extremamente entediada com a vida de uma mãe que vive dentro do lar. O nome Alice é provavelmente uma referência à personagem principal de Alice no País das Maravilhas – um conto de fadas sobre uma menina privilegiada, que está entediada com sua vida, e que vai “através do espelho” para chegar ao País das Maravilhas. Em “De Olhos Bem Fechados”, Alice é frequentemente mostrada olhando para o espelho – cuidando de si mesma ou … talvez procurando algo mais para a vida.

Alice é frequentemente mostrada na frente do espelho e se arrumando. No início do filme, quase todos os que falam com ela mencionam sua aparência. Sua filha Helena (talvez em homenagem à Helena de Tróia, a mulher mais bonita do mundo) segue seus passos

 

As imagens promocionais para o filme apresentam Alice beijando Bill, mas olhando para si mesma no espelho, quase como se estivesse vendo uma realidade alternativa

Embora o casal mostre sinais de cansaço, Bill e Alice colocam suas “máscaras felizes” quando é hora de participar de eventos sociais. Como as pessoas da elite que eles se socializam, existe uma grande diferença entre a fachada que eles colocam e a realidade.
Reunindo-se com a Elite

Bill e Alice vão a uma festa elegante dada por Victor Ziegler, um dos pacientes ricos de Bill. A julgar pela casa de Victor, ele simplesmente não é rico, mas é parte da ultra-elite. Embora a sua festa seja muito elegante e frequentada por pessoas altamente cultas, não demorou muito para os telespectadores perceberem que essa fachada esconde um lado negro nojento. Além disso, pequenos detalhes inseridos por Kubrik dão dica para uma ligação entre a festa a um ritual oculto que ocorre no final do filme.

Ao entrar na festa, a primeira coisa que vemos é esta decoração de Natal peculiar. Esta estrela de oito pontas com um círculo em seu centro se encontra em toda a casa

 

A estrela na casa de Zeigler é quase idêntica ao antigo símbolo da estrela de Ishtar

Conhecendo a atenção de Kubrik ao detalhe, a inclusão da estrela de Ishtar nesta festa não é um acidente. Ishtar é a deusa babilônica da fertilidade, do amor, da guerra e, principalmente, da sexualidade. Seu culto envolvia prostituição sagrada e atos ritualísticos – dois elementos que vemos claramente no final do filme.

“Os Babilônios davam a Ishtar oferendas de comida e bebida no sábado. Eles, então, se juntavam em atos ritualísticos de fazer amor, que por sua vez invocavam o favor de Ishtar sobre a região e seu povo para promover a contínua saúde e fecundidade.”

– Deusa Ishtar, Anita Revel
Ishtar foi considerada a “cortesã dos deuses” e teve muitos amantes. Embora inspirada na cama, ela também foi cruel para os homens que se apegavam a ela. Esse conceito constantemente reaparece, especialmente com Alice.

Durante a festa, Bill e Alice se separam e ambos são confrontados com a tentação. Alice encontra um homem chamado Sandor Szavost que pergunta a ela sobre a “Arte de Amar” de Ovid. Esse livro, escrito durante os tempos da Roma Antiga, era essencialmente um guia de “Como Trair Seu Parceiro” e era popular entre a elite da época. O primeiro livro abre com uma invocação a Vênus – o planeta esotericamente associado com a luxúria. Interessante, pois Ishtar (e seus equivalentes em outras culturas semíticas) foi considerada a personificação de Vênus.

Sandor bebe da taça de Alice. Esse truque foi tirado diretamente da obra “A Arte do Amor”, e envia à Alice uma mensagem que não é muito subliminar: “Eu quero trocar fluidos com você.”

O nome de Sandor pode ser uma referência ao fundador da Igreja de Satanás que é Anton Szandor Lavey. Será que essa é uma maneira de Kubrik dizer que esse homem que insiste em fazer Alice trair seu marido é parte da elite oculta e de seus modos decadentes? O homem húngaro é aparentemente experiente em programação neuro-linguística (PNL), visto que ele continua a dizer frases bem calculadas a fim de fazer Alice trair seu marido. A julgar pelo estado de embriaguez de Alice, Sandor lhe dá um discurso sobre a futilidade da vida conjugal e da necessidade de buscar o prazer.

Enquanto isso, Bill está conversando com duas modelos paqueradoras que lhe dizem que querem levá-lo para “onde o arco-íris termina”. Embora o significado dessa frase enigmática nunca seja explicitamente explicado no filme, os símbolos falam por si.
Arco-íris por Todos os Lados

Arco-íris e luzes multicoloridas aparecem ao longo do filme, desde o início até o fim.

O nome da loja onde Bill aluga seu traje é chamada de “Arco-íris”. O nome da loja abaixo dela: “Debaixo do Arco-íris”. Acho que Kubrik está tentando nos dizer algo… algo envolvendo arco-íris

Como se para enfatizar o tema multicolor do arco-íris, quase todas as cenas do filme contêm luzes de Natal multicoloridas, dando à maioria dos cenários um clima nostálgico de luzes e brilho.

Quase toda vez que Bill entra em um quarto, a primeira coisa que vemos são as luzes de Natal multicoloridas

 

Às vezes, as luzes de Natal são o foco da atenção

Essas luzes unem a maioria das cenas do filme tornando-as parte da mesma realidade. No entanto, existem algumas cenas selecionadas, onde não há absolutamente nenhuma luz de Natal. A principal delas é no palácio Somerton – o palácio onde o ritual da sociedade secreta ocorre.

Acentuadamente contrastando com o resto do filme, Sommerton é completamente desprovido de luzes multicoloridas. Tudo nesse lugar é uma acentuada oposição ao “mundo exterior”

Em “De Olhos Bem Fechados”, há, portanto, dois mundos: o das luzes de Natal, cheio do “mundo do arco-íris”, onde as massas passeam, tentando sobreviver e o outro mundo…, “onde o arco-íris termina” – onde a elite se reúne e realiza seus rituais. Simplesmente por ver o contraste entre os dois mundo, sentimos um fosso quase intransponível entre esses dois mundos. O filme vai mostrar claramente como os do “mundo do arco-íris” não podem entrar no outro mundo.

Então, quando as modelos pedem para Bill ir “onde termina o arco-íris”, elas provavelmente se referem a ir “onde a elite se reúne e realiza rituais”. Também pode significar onde elas vão ser escravas de programação Beta dissociadas. O conceito de arco-íris pode também se referir ao controle mental monarca (leia este artigo para obter mais informações), visto que as mulheres que tomam parte em rituais de elite são muitas vezes produtos de controle mental Illuminati. No vocabulário MK-Ultra “ir além do arco-íris” significa dissociar da realidade e entrar em outra persona (mais sobre isso depois).

As modelos pedem para Bill deixar o “mundo do arco-íris” (há uma árvore de Natal bem atrás deles) para entrar nos rituais nojentos da elite oculta

Atrás da Cortina

O flerte de Bill com as modelos é interrompido quando Ziegler o chama para o seu banheiro. Lá, temos uma primeira visão de “onde o arco-íris termina” – a verdade sombria sobre a elite.

Bill vai com Ziegler a seu banheiro gigantesco, que está vestido e acompanhado de uma mulher nua… que não é sua esposa. A mulher está inconsciente

Se voltarmos um pouco, quando Bill e Alice entra pela primeira vez na festa, eles foram recebidos por Ziegler e sua esposa em uma sala cheia de luzes de Natal. Mas quando Bill vai “aonde termina o arco-íris” (aviso que não há luzes de Natal no banheiro), vemos a verdade feia: Ziegler não é um homem casado e respeitável – ele está com uma escrava de programação Beta em overdose. Quando a mulher ganha consciência, Ziegler fala com ela, uma questão paternal estranha, destacando o fato de que ele é o mestre e ela é a escrava. O ambiente luxuoso dessa cena é a maneira de Kubrik dizer que a extrema riqueza não necessariamente se iguala a uma moral elevada.

Ziegler, em seguida, pede para Bill manter tudo o que acabou de ver um segredo. O mundo “onde o arco-íris termina” nunca deve ser revelado ao outro mundo. Ele opera em seu próprio espaço, tem suas próprias regras e depende da ignorância das massas.
Casamento Questionável

Embora Alice tenha no final rejeitado os avanços de Sandor, ela foi, no entanto, incitada por eles. No dia seguinte, Alice diz a Bill que ela poderia ter o traído na festa. Quando Bill diz à esposa que ele ama e confia nela, ela se solta completamente. Ela então começa a lhe contar uma história sobre como uma vez ela estava pronta para traí-lo com um oficial naval que ela conheceu em um hotel. Essa história cruel traz a “Ishtar” dentro de Alice, visto que ela provoca em seu marido sentimentos de ciúme, insegurança, traição e até humilhação. Em suma, Alice propositadamente convocou o lado negativo das relações. Essa conversa faz com que Bill embarque em uma viagem estranha ao redor da cidade de Nova York, que tem vários níveis de significados e que o leva a exatamente o oposto do casamento: cópula anônima, mascarada com estranhos em um ambiente ritualístico. A estranha jornada de Bill será novamente analisada na segunda parte desta série de artigos.

Conclusão da Parte I 

A primeira parte desta série de artigos sobre o “De Olhos Bem Fechados” tomou um amplo olhar para o casal moderno formado por Bill e Alice, que tem o “privilégio” de se reunir com o alto escalão de Nova York. Enquanto tudo parece grande na superfície, Kubrik diz rapidamente aos telespectadores para não serem enganados pelas aparências e não ficar impressionado com exposições de riqueza e de cultura. Porque por trás do “mundo do arco-íris” existe uma realidade sombria e perturbadora, que Kubrick expõe de muitas maneiras sutis ao longo do filme.

Embora Bill e Alice sejam simplesmente “convidados” ao círculo de elite, eles ficam, no entanto, fascinados e atraídos por ela. Eles veem nesse estilo de vida uma forma de satisfazer as suas necessidades sombrias e secretas. Na próxima parte desta série, vamos olhar para o significado oculto da jornada de Bill – uma história contada por símbolos sutis salpicados no filme.

As Mensagens Ocultas (e não tão ocultas) no “De Olhos Bem Fechados” de Stanley Kubrik – Parte 2

A segunda parte desta série de artigos sobre o filme “De Olhos Bem Fechados” terá um olhar mais atento à sociedade secreta da elite descoberta pelo personagem principal do filme, Bill Hartford, e como ela se assemelha a organizações da vida real. Será que Stanley Kubrick estava tentando alertar o mundo sobre a elite oculta e seus modos depravados?

Na primeira parte desta série sobre “De Olhos Bem Fechados”, nós analisamos os personagens principais do filme e o mundo simbólico criado por Kubrick em torno deles. Vimos que Bill e Alice Hartford são um casal de classe alta casado que não estava imune às tentações do adultério. Vimos também que o casal estava em contato com o alto escalão de Nova York e e seus modos decadentes – um mundo que fascina Bill, mas que tem um lado obscuro, que é escondido do público. Neste artigo, vou pular direto para a parte mais perturbadora do filme: O ritual da sociedade secreta.

Quando Bill descobre que sua esposa pensou em trai-lo, ele embarca em uma série de estranhos encontros (que vou analisar na terceira e última parte desta série) e mais tarde acaba em uma luxuosa casa em Long Island, onde ele encontra uma grande reunião de indivíduos mascarados participando de um ritual oculto. Visto que ele nunca foi iniciado nessa sociedade secreta, Bill nem deveria saber que ela existia, e muito menos ser testemunha de uma de suas “reuniões”. Então, como ele descobriu sobre isso? Bem, um passarinho disse-lhe.
Nick Nightingale 

Em um momento durante sua estranha noite, Bill encontra seu velho amigo Nick Nightingale em um jazz café. O pianista profissional revela a Bill que ele às vezes é contratado por pessoas misteriosas para tocar, com os olhos vendados, durante as festas misteriosas que estão cheias de mulheres bonitas. Essa informação tentadora intriga Bill ao mais alto grau, porque, desde a sua conversa com sua esposa, ele parece estar à procura de algum tipo de… experiência. Nick finalmente faz um grande erro e concorda em fornecer Bill todas as informações necessárias para acessar o local.

Um nightingale (rouxinol) é um tipo de pássaro que é conhecido por cantar na noite, assim como Nick Nightingale “canta” informação secreta no início da noite fatídica de Bill.

A senha para entrar no ritual é “Fidelio”, que significa “fidelidade”, tema principal do filme. Mais importante ainda, como assinala Nightingale, “Fidelio” é o nome de uma ópera escrita por Beethoven sobre uma mulher que se sacrifica para libertar seu marido da morte como um prisioneiro político. Essa senha realmente prenuncia o que vai acontecer durante esse ritual.

Depois de obter os detalhes de Nightingale, Bill aluga uma fantasia em uma loja chamada “Rainbow” (mais sobre a loja no próximo artigo)… e então começa a ir para Somerton, a propriedade onde a festa está sendo realizada.
A Elite Oculta

O ritual oculto ocorre em Somerton, em Long Island. O prédio usado para filmar a cena do lado de fora é Mentmore Towers no Reino Unido

O local escolhido para filmar as cenas da elite é bastante interessante. Mentmore Towers foi construída no século 19 como uma casa de campo por um membro da família de elite mais importante e poderosa do mundo: Os Rothschilds. Ao selecionar essa localização, estava Kubrick tentando mostrar ao seu público o equivalente no “mundo real” da ultra-elite mostrada no filme? Aliás, o nome da ligação de Bill com a elite, Victor Ziegler, é de origem judaico-alemã, como Rothschild.

Tem sido documentado que o Rothschilds realmente participam de eventos mascarados muito semelhantes aos apresentados em “De Olhos Bem Fechados”. Aqui estão imagens raras tiradas de uma festa de 1972 dada por Marie-Hélène de Rothschild.

A Baronesa Marie-Hélène de Rothschild e o Baron Alexis de Redé em uma festa de 1972. Os convites foram impressos em escrita invertida. É de se pensar se esta festa “degenerou” em algo parecido com o que é mostrado em “De Olhos Bem Fechados”

No filme, quando Bill entra na mansão, ele se mistura com uma multidão de pessoas mascaradas em silêncio observando o ritual. Uma dessas pessoas parecem reconhecer instantaneamente Bill (ou o fato de ele não pertencer ali).

Um casal usando máscaras venezianas (mais especificamente “bobo da corte mulher” e máscaras “bauta”) vira lentamente em direção a Bill e acena de um jeito assustador. Será Ziegler e sua esposa? Talvez. Kubrick gosta de manter as coisas misteriosas

Máscaras venezianas foram originalmente usadas durante o Renascimento italiano em Veneza e eram um jeito para a poderosa elite do tempo entrar em imoralidades, sem represálias.

“Embora a origem exata da tradição de máscaras não pode ser conhecida com certeza, a teoria prevalecente é algo como isto: o início no Renascimento italiano, Veneza era um império comerciante extremamente rico e poderoso. Sua posição sobre o mar Mediterrâneo abriu-se a uma miríade de oportunidades de negócios em toda a Europa, Norte da África e Ásia Menor, e sua poderosa marinha permitiu exercer a força militar necessária para defender a sua vasta riqueza. Em uma cidade-estado tão próspera, já era de se esperar que a sociedade veneziana fosse obcecada por classe e rigidamente estratificada. A reputação de um indivíduo era extremamente importante para a percepção de sua ou toda a sua família, e assim, naturalmente, a pressão para agir de acordo com os morais sociais que regem a sua posição social era imensa e sufocante. Os venezianos, diz a teoria, adotaram a prática de usar máscaras e outros disfarces durante a época de Carnaval como uma maneira de suspender a ordem social rígida. Sob o manto do anonimato, os cidadãos de Veneza poderiam afrouxar suas inibições sem medo de represálias. Máscaras ganharam tanta popularidade que os mascherari (fabricantes de máscaras) tornaram-se uma guilda venerada na sociedade veneziana. No entanto, enquanto a palavra do famoso Carnaval Veneziano se espalhava, mais e mais pessoas de fora se reuniram para a cidade todos os anos para participar das festividades. As celebrações do Carnaval tornaram-se cada vez mais caóticas e profanas com o passar dos anos, até o seu declínio no século 18″. 

– Geoffrey Stanton, Guide to Venetian Carnival Masks

Desde então, as máscaras venezianas têm sido usados ​​em círculos de elite e têm se tornado um símbolo de sua filosofia oculta escura. Até a família real britânica parece desfrutar do mesmo tipo de máscaras e eventos.

Príncipe Charles e a duquesa Camilla em Clarence House com máscaras bauta

Esse evento Real especial mostrou mulheres mascaradas que não estavam tão vestidas como as do ritual em “De Olhos Bem Fechados”.

Modelos na festa com a presença da Família Real

Parece evidente que Kubrick cuidadosamente selecionou a localização da propriedade dos Rothschilds e escolheu a dedo as máscaras usadas pelos participantes do ritual, ecoando as famílias e os eventos da vida real.
Cenário do Ritual

Quando Bill entra em Somerton, tudo no filme muda. Não há mais luzes de Natal coloridas e decorações brega. Ao invés do bate-papo incessante entre as pessoas carentes, agora é só a imobilidade e o silêncio.

Olhando diretamente para a câmera (e para os espectadores do cinema), as máscaras assustadoras são lembretes silenciosos e ainda preocupantes mostrando as “verdadeiras faces” da elite. Note que a máscara multifacetada do lado esquerdo é semelhante à usada na festa dos Rothschilds mostrada acima

A música no filme também muda drasticamente. A música ouvida no fundo é chamada de “Backwards Priest” e apresenta um Liturgia Ortodoxa Romena Divina tocada de trás para frente. A reversão ou inversão de objetos sagrados é típico da magia negra e rituais satânicos. Por ter essa liturgia cristã tocada para trás, bem antes da fornicação generalizada, será uma maneira de Kubrik de afirmar que a elite não é nada menos do que satânica?

Aqui vemos Nick Nightingale tocando a música “Backwards Priest”, que significa que as pessoas no ritual realmente ouvem a música e que a coisa toda é coreografada para ela. Nightindale está com os olhos vendados, porque o “profano” não pode testemunhar os rituais ocultistas da elite

As cenas internas da festa foram feitas em Elveden Hall, uma casa privada no Reino Unido projetada para parecer um palácio indiano. Quando as “festividades” começam, uma música Tamil chamada “Migração” toca ao fundo, contribuindo para a atmosfera sul-asiática (a versão original da canção continha uma recitação bíblica real do Bhagavad Gita, mas o canto foi removido na versão final do filme). Essa atmosfera indiana peculiar, combinada com as cenas lascivas testemunhadas por Bill enquanto ele anda ao redor da casa, em última análise aponta para o mais importante, e no entanto a parte mais oculta do filme: Tantra Yoga e seus derivados do ocultismo ocidental, Magia Sexual (Sex Magick). Esse último conceito foi “importado” pelo ocultista britânico Aleister Crowley e está agora no centro dos ensinamentos de várias sociedades secretas:

As conexões de Aleister Crowley com Yoga e Tantra indiano foram consideráveis e complexas. Crowley teve exposição direta a algumas formas dessas práticas e estava familiarizado com a literatura contemporânea dos assuntos, escreveu extensivamente sobre eles, e – o que é talvez o mais importante – ele praticou. Em sua avaliação do valor do Tantra, ele estava à frente de seu tempo, que habitualmente considerava o Tantra uma forma de hinduísmo degenerada. Em vez disso, ele afirmou que, “por mais paradoxal que possa parecer, os tântricos são, na realidade, os mais avançados dos hindus”. A influência de Crowley em trazer tradições esotéricas orientais, principalmente indígenas, para o Oeste se estende também à sua incorporação dos elementos de Yoga e Tantra na estrutura e programa de duas ordens mágicas influentes, a A.: A.:. e a OTO.

– Martin P. Starr, Aleister Crowley and Western Esotericism

A citação acima estipula que os conceitos tântricos foram incorporados em duas sociedades secretas importantes: A.: A.: e a OTO (Ordo Templi Orientis). A OTO é ainda extremamente influente nos círculos da elite e atinge os mais altos níveis da política, negócios e até mesmo a indústria do entretenimento. No cerne destas ordens há a Thelema, uma filosofia criada por Aleister Crowley, que ele resumiu com o ditado “Faça o que tu queres”. Esse ditado é realmente uma tradução de “Fais ce que tu voudras”, o lema de uma sociedade secreta do século 18, a famosa Hellfire Club.

Hellfire Clubs foi dito ser locais de encontro de “pessoas de qualidade” que desejavam tomar parte em atos imorais, e os membros muitas vezes eram envolvidos na política”. De acordo com uma série de fontes, suas atividades incluíam cerimônias religiosas de zombaria, adoração ao diabo e rituais ocultistas. Embora os detalhes sejam vagos em relação a esse clube de elite, eles eram conhecidos pela realização de ritos satânicos elementares como um prelúdio para as suas noites de prostituição. Esses atos não foram, contudo, apenas “por diversão” ou para “chocar as pessoas”, como algumas fontes podem alegar. Os membros eram iniciados nos mistérios ocultos e seus rituais eram baseados em antigos ritos que envolviam invocações e outras formas de magia negra.

Em suma, embora Kubrick nunca realmente tenha nomeado a sociedade secreta infiltrada por Bill, há indícios suficientes para compreender que tipo de clube que ele está se referindo. Mais importante, ele está dizendo a seus espectadores: ainda existem essas sociedades… e elas estão mais poderosas do que nunca.



O Ritual e Seus Participantes

O ritual começa com o Sumo Sacerdote, vestido de vermelho, realizando uma rotina cerimonial. Ele está no centro de um “círculo mágico”, formado por mulheres jovens que são muito provavelmente escravas Beta sex-kitten. Mais tarde, quando Bill é desmascarado, outro círculo mágico é formado.

Círculos mágicos é o conceito usado em ritual de magia durante invocações. A colocação das pessoas nessa cena lembra círculos mágicos. Direita: Um círculo mágico como retratado em um antigo grimório

 

A última cena do filme se passa em uma loja de brinquedos – um lugar cheio de itens altamente simbólicos (mais sobre isso no próximo artigo). Aqui, Helena Hartford caminha perto de um brinquedo chamado “Círculos Mágicos” – mostrando que os caminhos ocultosda elite infiltram-se através da cultura popular, mas não são notados por aqueles que têm os olhos bem fechados

Amanda

No início do ritual, uma das escravas Beta vai até Bill e exorta-o a sair de casa antes que ele seja pego. Nós finalmente entendemos que era Amanda, a garota que estava desmaiada no banheiro de Ziegler. Quando Bill é pego e é (literalmente) desmascarado pelo Sumo Sacerdote, Amanda aparece na varanda de uma forma muito dramática e diz ao Sumo Sacerdote que quer “redimi-lo”, em um tom que se aproxima ao drama ritualístico. O sacerdote, em seguida, responde: “Tem certeza que você entende o que está tomando sobre si mesma fazendo isso?” Isso significa que ela vai ser abusada repetidamente e, em seguida, sacrificada.

No dia seguinte, Bill descobre o verdadeiro poder dessa sociedade secreta.

Bill descobre no jornal que Amanda foi encontrada morta em um quarto de hotel devido a uma overdose. A maneira em que esse assassinato ritualístico é disfarçado como uma overdose é muito semelhante às muitas mortes ritualísticas de celebridades, disfarçadas de overdoses, que ocorrem na vida real

Olhando bem na imagem e na verdade lendo o artigo acima sobre Amanda, ficamos sabendo detalhes importantes sobre o passado dela (clássica integração de um sub-enredo oculto por Kubrick). Para aqueles “conscientes”, o artigo descreve perfeitamente a vida de uma escrava de programação Beta da indústria do entretenimento (ou seja, Marilyn Monroe). Nós realmente ficamos sabendo que Amanda era “emocionalmente perturbada” quando era uma adolescente e passou por “tratamentos” (uma palavra de código para programação MK talvez?). Ela tinha “amigos importantes no mundo da moda e do entretenimento”, e ela teve um “affair” com um designer de moda poderoso que ficou “impressionado por suas performances particulares, individuais e sedutoras” (comportamento típico de uma Beta kitten). O que o artigo porém convenientemente não menciona é que ela estava vendendo seu corpo para pessoas da elite e sendo usada em seus rituais de ocultismo.

Como é o caso das sex-kitten Beta que já estão “falhando”, ela foi eliminada pelas pessoas que controlavam sua vida. O artigo afirma que ela foi vista pela última vez sendo escoltada para seu quarto de hotel por dois homens e que ela estava “rindo” (drogada e dissociada?). Como os sacrifícios da elite na “vida real”, “overdose” é citada como a causa de sua morte.
O Sumo Sacerdote

Envolto em vermelho, o Sumo Sacerdote se senta em um trono que possui um símbolo muito importante: A águia de duas cabeças com uma coroa em cima

 

A águia de duas cabeças é um dos símbolos mais antigos e proeminentes da Maçonaria. A águia de cabeça dupla coroada é representativa do grau 33 da Maçonaria, o mais alto grau possível. Kubrick está dizendo que o Sumo Sacerdote é um maçom grau 33? 

Como outros participantes do ritual, a verdadeira identidade do Sumo Sacerdote nunca é revelada. No entanto, Kubrick deixou algumas pistas insinuando a sua identidade e sua relação com Amanda.

Nos créditos finais do filme (e fontes como IMDB), é listado que o papel do sumo sacerdote foi feito pelo “assistente de direção” do filme, Leon Vitali. Se alguém ler atentamente a reportagem mencionada acima, Leon Vitali é o nome do designer de moda de Londres com quem Amanda teve um “affair”. Além disso, o Sumo Sacerdote tem um sotaque britânico inconfundível. Podemos, portanto, deduzir que o Sumo Sacerdote é o designer de moda.

Trecho do artigo mencionando Leon Vitali

Essa subtrama escondida é interessante, pois revela a verdadeira natureza da indústria da moda e entretenimento. Indivíduos de alto escalão nessas áreas são iniciados em sociedades secretas ocultistas e lidam com os escravos MK.
O Poder da Sociedade Secreta 

Quando Bill é descoberto pelo Sumo Sacerdote, ele é dito que ele e sua família pagaria por qualquer transgressão. No dia seguinte, ele percebe que está sendo seguido por pessoas estranhas e fica paranóico.

A manchete deste jornal é “Sorte por estar vivo”. Isso se aplica a Bill

Logo após Bill deixar o necrotério para confirmar que Amanda morreu, Ziegler o chama e o convida para sair.

Acontecendo na sala de jogos de Ziegler, o vai-e-vem entre os dois homens é mais intenso do que qualquer jogo de bilhar

Embora Bill seja um médico rico, ele não faz parte da elite. A atitude de Ziegler com Bill deixa muito claro. Enquanto Ziegler parece querer ser honesto e direto com Bill, percebemos que ele está simplesmente tentando esconder a verdade horrível. Afinal, Bill é uma “pessoa de fora”. Ele diz a Bill:

“Eu não acho que você percebeu que tipo de problemas você se meteu na noite passada. Quem você acha que essas pessoas eram? Aquelas não eram apenas pessoas comuns lá. Se eu lhe dissesse seus nomes – eu não vou te dizer os seus nomes – mas se eu o fizesse, eu não acho que você ia dormir tão bem”.

Portanto Ziegler admite que as pessoas que frequentam o ritual eram pessoas de alto nível, conhecidas e poderosas. Kubrick está, portanto, deixando claro que os mais ricos, mais poderosos decisores do “mundo real” encontram-se nesses tipos de rituais… e que esses rituais estão fora dos limites para o profano.

Quando Bill menciona Amanda, Ziegler fica mais defensivo e responde: “Ela era uma prostituta” – o que significa que ela era uma escrava Beta que poderia ser facilmente eliminada. Então Ziegler diz a Bill que tudo o que aconteceu no ritual era uma farsa para assustá-lo, Bill responde:

“Você chama isso de uma farsa. Você se importa em me dizer que tipo de farsa termina com alguém acabando morto?”

Isso destaca a diferença fundamental entre a percepção do público de rituais de ocultismo e o que realmente acontece. Pessoas comuns são levadas a acreditar que esses rituais de elite não são nada mais do que reuniões patetas de pessoas com muito tempo em suas mãos. Na realidade, esses rituais elaborados muitas vezes incorporam tentativas reais de Magia Negra e incluem sacrifícios de sangue reais e outros atos terríveis.

Então Ziegler passa a contar a Bill a mesma coisa que a mídia diz para as massas quando alguém é sacrificado pela elite: Ela teve uma overdose, ela era uma drogada, era apenas uma questão de tempo, e a polícia não viu qualquer crime.
Conclusão da Parte II 

A segunda parte desta análise focou exclusivamente na sociedade secreta anônima que Bill se depara e seu ritual. Embora nada seja explicitamente enunciado para os telespectadores, o simbolismo, as pistas visuais e até mesmo a música de “De Olhos Bem Fechados” revela um lado oculto da elite que raramente é mostrado para as massas.O filme não apenas retrata os mais ricos e poderosos povos do mundo participando de rituais de ocultismo, mas também mostra como esse círculo tem também o poder de explorar escravos, para perseguir as pessoas, e até mesmo sair inocente com assassinatos de sacrifício. Ainda pior, a mídia de massa participa cobrindo seus crimes.

A sociedade secreta no filme se assemelha à famosa Hellfire Club, onde as figuras proeminentes políticas reuniam-se para participar em festas satânicas elaboradas. Hoje, a OTO e as sociedades secretas semelhantes ainda participam em rituais que envolvem a energia física, visto que é como uma forma de atingir um estado de iluminação. Esse conceito, tomado do yoga tântrico, é o cerne das sociedades secretas modernas e poderosas. Embora nada disso seja realmente mencionado em “De Olhos Bem Fechados”, todo o filme pode ser interpretado como uma grande jornada “mágica”, que se caracteriza por um vai-e-vem entre forças opostas: a vida e a morte, luxúria e dor, masculino e feminino, luz e escuridão, e assim por diante… terminando em um grande momento orgasmico da iluminação. Esse aspecto do filme, junto com outros detalhes ocultos, serão analisados ​​na terceira e última parte desta série de artigos sobre “De Olhos Bem Fechados”.

As Mensagens Ocultas (e não tão ocultas) no “De Olhos Bem Fechados” de Stanley Kubrik – Parte 3

Na terceira e última parte desta série em “De Olhos Bem Fechados”, vamos analisar a jornada de Bill como um todo e seu significado esotérico subjacente. Vamos ver como o simbolismo colocado por Kubrick conecta todas as mulheres no filme, fazendo com que Bill encontre uma exploração multi-facetada do princípio feminino.

As partes anteriores desta série de artigos sobre “De Olhos Bem Fechados” foi exclusivamente dedicado à sociedade secreta descoberta por Bill. Esse clube da elite, da qual participaram as pessoas mais poderosas do mundo, lida com o satanismo, magia negra e até mesmo sacrifícios ritualísticos. Ajudado por seu amigo Nightingale, Bill infiltra em um dos rituais ocultos da sociedade secreta e testemunha uma cerimônia presidida por um sumo sacerdote. Em seguida, uma orgia acontece.

No segundo artigo, eu expliquei como as sociedades secretas da vida real, como o Hellfire Club e a OTO, realmente praticam esses tipos de rituais. Os princípios ocultos por trás deles derivam da ioga tântrica, onde a energia gerada pela excitação física é usada para chegar a um “estado maior”. Esse conceito foi reutilizado (e talvez corrompido) por Aleister Crowley, que o chamou de “magia sexual” (sex magick). Segundo ele e seus colegas, o conhecimento desse tipo de magia era o maior segredo das sociedades secretas do passado e só foi divulgado para o mais alto dos iniciados.

Há, no entanto, nenhuma menção (direta) a nada disso em “De Olhos Bem Fechados”. Na verdade, a cerimônia testemunhada por Bill, com sua coreografia elaborada e música assustadora, parece ser um grande, vazio e falso teatro dramático que simplesmente existe para dar aos ricos algum tipo de razão mística para envolver-se em libertinagem barata. Embora Kubrick tire o ritual oculto de todo o seu significado esotérico e “mágico”, ele infundiu o filme inteiro com isso. Se olharmos para o ritmo do filme, a jornada de Bill e as pessoas que ele encontra, torna-se um tanto evidente que a “magia” não ocorre durante o próprio ritual, mas durante o filme como um todo. Será que Kubrick foi um iniciado em segredos ocultos? Ele estava tentando comunicá-los por meio de seu filme? Vejamos os conceitos por trás do ritual.
A Elevação da Kundalini

O conceito da magia através das forças reprodutivas é dito ter se originado a partir de práticas ritualísticas antigas, visto que vestígios podem ser encontrados no Hinduísmo, Taoísmo e em sociedades secretas medievais, como os Templários. No mundo ocidental de hoje, a OTO é dito ser a herdeira desse caminho, como foi declarado por Aleister Crowley e seu acólito, Theodor Reuss.

“Theodor Reuss foi bastante categórico: a OTO é um corpo de iniciados em cujas mãos se concentrava o conhecimento secreto de todas as ordens orientais e de todos os graus maçônicos existentes (…) A ordem tinha “redescoberto” o grande segredo dos Cavaleiros Templários, a magia do sexo, não só a chave para a tradição egípcia antiga e hermética, mas a todos os segredos da natureza, todo o simbolismo da Maçonaria, e todos os sistemas de religião.” 

– Peter Tomkins, The Magic of Obelisks

O princípio básico por trás desse “grande segredo” é a elevação da Kundalini ou “força da vida”, uma energia que pode ser utilizada para fins mágicos.

“Em toda a magia tântrica, o requisito essencial – se no êxtase de casais ou no ritual solo de uma sacerdotisa – envolvia a captação da energia conhecida como a serpente de fogo, ou kundalini. Essa energia misteriosa descrita como adormecida no mais baixo dos sete chakras, pode ser despertada por dois métodos distintos, chamados, tradicionalmente, o caminho da mão direita e esquerda. A mão direita atribui supremacia do princípio masculino, a esquerda para o feminino. À medida que o poder da serpente é despertado, de acordo com os clarividentes, ele sobe à espinha dorsal do adepto, energizando cada chakra, até que emerge do crânio – simbolicamente como a cabeça de uma cobra, como aquelas tão claramente representadas na estatuária egípcia.
(…)
Assim como adeptos descrevem a subida da serpente, ela une-se com as “partes da região cerebral” para trazer iluminação – ou a mais alta forma de iniciação, visto que o atual “sobe da dualidade para a unidade, invertendo o caminho que originalmente levou os chakras a procriar a humanidade”. 
Os detalhes das iniciações da OTO em hindu e Tantra tibetano, incluindo cerimônias que envolvem o uso de “exudação” de sacerdotisas especificamente treinadas foram trazidos para um público mais amplo pelo seguidor de Crowley, Kenneth Grant. As cortesãs sagradas, especialistas em erotismo ritualístico, conhecidas na Índia como meninas ‘nautch’ (…) foram extremamente honradas.”

– Ibid.

Visto que cortesãs sagradas foram “excepcionalmente honradas” no esoterismo oriental, as ordens de magia negra distorcidas de hoje usam escravos de programação Beta e eliminam-nas quando eles terminam de usá-las. Em suma, exatamente o oposto de estar sendo “extremamente honrado”.

A elevação da Kundalini, o conceito por trás da magia tântrica, é totalmente representado em uma única imagem, a representação de Baphomet de Eliphas Levi.

Esta famosa representação do Baphomet inclui todos os símbolos por trás da Magia Sexual – a subida da kundalini (representada pelo pólo fálico envolto por duas serpentes), através da união de forças opostas. A tocha acima da cabeça do bode representa a iluminação

Então, o que tudo isso tem a ver com o “De Olhos Bem Fechados”? À primeira vista, nada de mais. Enquanto vemos um ritual que envolve “cortesãs sagradas” no filme, não há absolutamente nenhuma menção da “elevação da kundalini” durante a coisa toda. No entanto, se dermos uma olhada à viagem de Bill como um todo, desde o início do filme até o fim, percebemos que o verdadeiro ritual não ocorre na mansão da elite, mas dentro da cabeça de Bill. Quando ele encontra novas mulheres e é exposto a novas oportunidades, a kundalini se eleva – e Kubrick adicionou pistas para indicar esse fato.
O Filme como Um Ritual

Embora “De Olhos Bem Fechados” pareça ser apenas sobre sexualidade, ninguém no filme nunca atinge o clímax. Embora Bill tenha muitas chances de satisfazer seus impulsos com mulheres atraentes, isso nunca realmente acontece. No entanto, quando o filme avança, há um claro aumento no desejo, mas Bill consegue mantê-lo sob controle. Administrar essa “força da vida” é o cerne de magia tântrica. Os espectadores são constantemente lembrados desse processo várias vezes durante o filme, quando Bill imagina sua esposa com um oficial naval. Cada flash fica cada vez mais intenso – que vai de beijo a relações sexuais.

Ao progredir do filme, Bill tem flashes de Alice o traindo, que ficam mais intensas. No final do filme, ela está prestes a atingir o clímax. Essas cenas refletem a elevação da kundalini de Bill. Esses flashes são prejudiciais e dolorosos e lembram os espectadores que a jornada de Bill começou com dor e humilhação

 

No final do filme, Bill fica tão excitado que ele começa a flertar e se agarrar com uma estranha, minutos depois de ele a conhecer. Embora esta cena pareça bastante estranha e surreal, ela reflete seu “progresso” no ritual

As últimas linhas do filme concluem e definem a jornada de Bill. Depois de correr em torno de Nova York e ficar excitado por todos os tipos de coisas, Bill fica cara-a-cara com sua esposa e fala sobre quão “acordado” ele está agora. Com sua “força de vida” totalmente carregada, Alice termina o filme com uma frase completando o ritual:

Eu te amo. E você sabe, há algo muito importante que nós precisamos fazer o mais breve possível.
– O que é?
– F*der

Acabar o filme nessa nota especial sugere que toda a jornada foi de uma elevação de intensidade, que acabaria por levar a um clímax “magicamente carregado”, o objetivo da magia Crowleyana (sex magick).

A jornada de Bill não foi sobre diversão e jogos, no entanto. À medida que o filme avança, há um constante vai-e-vem entre o prazer e a dor, atração e repulsão, a vida e a morte, e assim por diante. A trajetória é apenas sobre a dualidade e, assim como os pisos de lojas maçônicas são xadrez em preto e branco, a jornada de Bill consiste em suas pisadas alternativas em azulejos pretos e brancos – vendo a natureza dualista de todas as coisas.

Eros e Thanatos

A noite de Bill em Nova York é caracterizada por inúmeros encontros com o sexo feminino – cada um deles oferecendo uma “cura” para um coração partido. No entanto, a cada encontro também tem um aspecto potencialmente destrutivo para ele, que contrabalança o seu encanto e atração. Enquanto Bill está procurando procriar, ele vê que seus impulsos geram dor e até mesmo a morte. A jornada de Bill é, portanto, um vai-e-vem entre os dois impulsos básicos do homem tal como definido por Freud: Eros e Thanatos.

Freud viu em Eros o instinto de vida, amor e sexualidade em seu sentido mais amplo, e Thanatos, o instinto de morte e agressão. Eros é o impulso para atração e reprodução; Thanatos em direção a repulsa e a morte. Um conduz à reprodução da espécie, o outro em direção a sua própria destruição. Embora cada um dos encontros de Bill prometam a doce tentação do desejo, eles também têm um lado destrutivo.

O primeiro encontro de Bill ocorre quando ele visita um de seus pacientes regulares que morreu. A filha do paciente morto beija Bill e lhe diz que o ama. Vemos, pois, nesta cena uma justaposição de conceitos de desejo e morte. Além disso, se Bill saísse com essa mulher, isso acabaria por ferir o marido – um outro lado ruim de sucumbir à luxúria

Cada um dos encontros femininos de Bill promete gratificação, mas acaba sendo interrompido por algo negativo, como culpa ou perigo potencial. Além disso, cada vez que Bill está em contato com os aspectos desprezíveis, mas ainda tentadores, do desejo (prostituição ou escravidão), ele rapidamente descobre o lado escuro, explorador e destruidor do mesmo.

Por exemplo, logo após Bill se deliciar em ver as escravas “kittens MK” trabalhando no ritual da elite, ao devolver a sua fantasia, ele imediatamente vê o lado escuro de tudo. O dono da loja, que já pegou a sua filha menor de idade com dois empresários asiáticos e ficou indignado com ela, teve uma súbita mudança de coração.

Em pé atrás do balcão de negócios, o dono da loja vende a sua filha menor de idade como se fosse outro produto. Depois de desfrutar de escravos mascarados em rituais luxuosos, Bill vê o outro lado do “negócio”: Meninas estão sendo vendidas por pessoas exploradoras para um sistema que se alimenta de menores, transformando-as em escravos MK. É por isso que essa loja foi chamada de “arco-íris”? 

A jornada de Bill é, portanto, aquela que continuamente se alterna entre o fascínio primal do desejo e as construções sociais destrutivas que são erguidas em torno dele. Não há nada mais básico e instintivo de atração carnal, mas nosso mundo moderno tem feito essas relações complexas, vinculados por regras, e propensas à exploração. Enquanto o desejo é a maneira de a natureza fazer com que os humanos procriem, as construções sociais criaram todos os tipos fetiches, distorções, jogos e perversões em torno desse desejo primal… a tal ponto que ele foi desnaturado e rebaixado a uma obsessão doentia.

Enquanto Bill navega entre a alegria e a dor, casamento monogâmico e perversão anônima, notamos que há um fio comum que une seus vários encontros.

As Mulheres Ruivas

As mulheres mais importantes do filme é a esposa de Bill, sua filha Helena, Amanda (a escrava Beta que foi sacrificada no ritual) e Domino (a prostituta que ele conheceu na rua). Todas as três mulheres adultas são um pouco fisicamente semelhantes, visto que são altas, bem proporcionadas, e ruivas. Elas também parecem estar ligadas a “outro nível”.

Embora Alice seja uma respeitável senhora de classe alta, ela ganha a vida usando sua aparência em relações sem amor, um pouco parecido com o que uma prostituta faria. Por outro lado, o tempo gasto entre Bill e Domino é doce e terno, um pouco com o que acontece em um relacionamento amoroso. Alice não é, portanto, muito diferente de Domino, e vice-versa.

Há também ligações com Amanda. Embora Alice não estivesse (provavelmente) no ritual oculto que Bill participou, quando ele retorna dele, ela o descreve um sonho que é semelhante ao que ele acabara de testemunhar e que Amanda apenas experimentou.

“Ele estava me beijando. Então nós estávamos fazendo amor. Em seguida, houve todas essas outras pessoas ao nosso redor, centenas deles, em todos os lugares. Todo mundo estava f******. E então eu … eu estava f***** com outros homens. Tantos. Eu não sei com quantos eu estava. E eu sabia que podia me ver nos braços de todos esses homens… só f***** com todos esses homens.”

O sonho de Alice a “conecta” com Amanda que estava no ritual e que realmente viveu o sonho de Alice.

A máscara Domino

Olhando mais de perto para o “círculo mágico”, formado por mulheres do ritual, podemos identificar algumas mulheres que poderiam ser Domino. No dia após o ritual, Bill aparece na casa de Domino com um presente, mas seu companheiro de quarto lhe informa que ela é HIV-positivo… e que ela talvez nunca estará de volta novamente. Isso é verdade ou Domino foi mais uma “vítima” na jornada de Bill? Assim como Amanda e Nightingale, Domino desaparece misteriosamente depois do ritual.

O fato de essas mulheres estarem todos conectadas revela um algo fundamental: a jornada de Bill não é sobre uma mulher específica, é sobre o princípio feminino como um todo. É uma busca esotérica de entender e “ser um com” o princípio feminino que é oposto ao seu.

Helena no Mesmo Caminho?

Durante todo o filme, Helena (filha de Bill) mostra-se preparada para ser uma outra Alice. Existem também algumas pistas que ligam Helena a Domino. Por exemplo, há um carrinho na frente do apartamento de Domino e, no final do filme, na loja de brinquedos, Helena fica muito interessada por um carrinho de bebê e mostra para sua mãe.

Domino em sua cama com um felino de pelúcia, símbolo da programação Kitten Beta

 

Uma fileira inteira mostra exatamente o mesmo brinquedo na loja onde Helena faz compra na cena final do filme

Há também algo estranho sobre a cena acima: os dois homens atrás de Helena estiveram na festa de Ziegler no início do filme.

Os dois mesmos homens na festa de Ziegler: o mesmo cabelo, a mesma estatura física e o cara da direita usa óculos semelhantes

Por que esses dois homens estão na loja olhando para os brinquedos? Nova York é uma cidade tão pequena assim? Kubrick estava sem atores extras para aparecer na cena? Improvável. Será que eles são parte da sociedade secreta que está seguindo Bill e sua família? Fato estranho: Quando os homens vão embora e desaparecem da cena, Helena parece segui-los… e não a vemos mais no restante do filme. A câmera, na verdade, dá um zoom em Alice e Bill, que estão completamente preocupados. Será essa uma forma muito sutil de dizer que sua filha vai ser agora “sugada” pelo sistema de escravos Beta da sociedade secreta? Outro enigma.
Conclusão

As obras de Stanley Kubrick nunca são estritamente sobre o amor ou relacionamentos. O simbolismo meticuloso e as imagens de todas as suas obras, muitas vezes comunicam uma outra dimensão do significado – que transcende o pessoal para tornar-se um comentário sobre a nossa época e civilização. E, nesse período de transição entre o final do século 20 e início do século 21, Kubrick conta a história de um homem confuso que vagueia por aí desesperadamente à procura de uma maneira de satisfazer o seus instintos mais primitivos. Kubrick conta a história de uma sociedade que está completamente degradada e corrompida por forças ocultas, onde o instinto de procriação mais primordial da humanidade tem sido banalizado, fetichizado, pervertido e explorado a um ponto de perder toda a sua beleza. No topo desse mundo está uma sociedade secreta que se revela nesse contexto, e vive nele. A perspectiva de Kubrick sobre o assunto definitivamente não era nem idealista, nem muito otimista.

Seu conto sombrio se concentra em um único homem, Bill, que está procurando algo indefinido. Mesmo que ele pareça ter tudo, há algo faltando em sua vida. Algo visceral e fundamental que nunca se coloca em palavras, mas que é bastante palpável. Bill não pode ser completo se ele não está em paz com o oposto dele: o princípio feminino. A busca de Bill, portanto, segue o princípio esotérico de unir duas forças opostas em uma só. Como sugerido pelas últimas linhas do filme, Bill acabará por “ser um” junto de sua esposa. Depois disso, o processo alquímico e o ritual tântrico estaria completo. No entanto, assim como Kubrick de alguma forma comunica na cena final, mesmo que essas duas pessoas extremamente egoístas e superficiais acreditem que eles chegaram a uma espécie de epifania, o que isso realmente muda? Nossa civilização como um todo ainda tem os olhos bem fechados… e estas foram as últimas palavras cinematográficas de Kubrick.

Leia mais:

Top 10 Filmes Illuminati








[VIDEO] Orgia Maçom Regada a Drogas é Flagrada pela Polícia nos EUA











Fontes:

Fórum Anti Nova Ordem Mundial: As Mensagens Ocultas (e não tão ocultas) no “De Olhos Bem Fechados” de Stanley Kubrik – Parte 1, 2 e 3

– Danizudo: As Mensagens Ocultas (e não tão ocultas) no “De Olhos Bem Fechados” de Stanley Kubrik – Parte 1

Vigilant Citizen: The Hidden (And Not So Hidden) Messages in Stanley Kubrick’s “Eyes Wide Shut” (pt. I)

Danizudo: As Mensagens Ocultas (e não tão ocultas) no “De Olhos Bem Fechados” de Stanley Kubrik – Parte 2

Vigilant Citizen: The Hidden (And Not So Hidden) Messages in Stanley Kubrick’s “Eyes Wide Shut” (pt. II)

Danizudo: As Mensagens Ocultas (e não tão ocultas) no “De Olhos Bem Fechados” de Stanley Kubrik – Parte 3

Vigilant Citizen: The Hidden (And Not So Hidden) Messages in Stanley Kubrick’s “Eyes Wide Shut” (pt. III)

As Mensagens Ocultas (e não tão ocultas) no "De Olhos Bem Fechados" de Stanley Kubrik - Análise Completa, 10.0 out of 10 based on 1 rating

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>