«

»

fev 10

ONU: Contra “Aquecimento Global” o Comunismo Chinês é Melhor que Democracia

GD Star Rating
loading...

A Secretaria Executiva da Convenção Marco das Nações Unidas para a Mudança Climática (CMNUCC, UNFCCC em inglês), Karen Christiana Figueres Olsen declarou que a democracia é um sistema político fraco para combater o “aquecimento global”.

Mas, acrescentou, a China comunista seria o melhor modelo para librar o planeta desse aquecimento gerado pela civilização humana.

Christiana Figueres fez o depoimento há poucos dias (13.01.2014) em entrevista concedida na sede da Bloomberg News em New York.

A funcionária ocupa uma posição chave na ONU: ela foi nomeada para guiar os mais de 190 países membros do organismo mundial na procura de um tratado internacional para combater o “aquecimento global”. Sua principal realização até o momento é o famigerado “Protocolo de Kyoto”.

O órgão que dirige promove a organização dos encontros mundiais periódicos que visam instalar uma espécie de superpoder “verde” por cima do planeta todo.

Christiana Figueres, Secretária Executiva da UNFCCC, 

na COP17 , Durban, Africa do Sul, 5-12-2011

 

Na Bloomberg News, Christiana Figueres reconheceu que “tal vez” a China é o máximo emissor de CO2 na Terra. Mas elogiou a luta que faria contra a poluição.

Após tratar a ferida com luva de pelica, a alta funcionária da ONU elogiou o método ditatorial do regime marxista porque “está fazendo o certo” para combater o “aquecimento global”.

A seguir, Figueres voltou-se contra o Congresso americano que, como toda democracia, representa as diversas tendências, opostas muitas vezes, presentes na opinião pública de seu país.

A Secretária Executiva da CMNUCC censurou essa diversidade democrática como “muito danosa” para a aprovação de alguma legislação contra o “aquecimento global”.

Em sentido contrário, o Partido Comunista chinês, segundo ela, está em condições de promover políticas e reformas, sem oposição.

A Assembleia do Povo – equivalente ao Congresso – aprova massivamente as decisões que chegam do Comité Central do Partido Comunista e outras dependências do governo, explicou.

Nada disto é novo: é um elemento essencial da ditadura marxista. E é este sistema ditatorial que a funcionária põe por cima da democracia!

Figueres nada disse do custo desse sistema dirigista: pelo menos 94 milhões de mortos em crimes coletivos no século XX. Só na China os massacres fizeram pelo menos 65 milhões de mortos.

Tampouco se interessou pelos 400 milhões de vidas que não nasceram em virtude da política do “filho único”, que inclui além do aborto e eutanásia, esterilizações massivas forçosas.

Mas a extinção de imensas parcelas da humanidade é uma exigência da luta contra o “aquecimento global” segundo o ambientalismo mais extremado.

Acresce que a China tira o 90% da energia de energias fósseis, especialmente de carvão. Dessa maneira polui fabulosamente a superfície do país, a ponto de não ser perceptível pelos satélites em dias de sol.

E o governo comunista planeja superar a produção de 860 milhões de metros cúbicos de carvão em 2015.

Segundo o “The Wall Street Journal” a qualidade do ar na China é tão ruim que por volta de “1,2 milhões de pessoas morreram prematuramente em 2010 por causa da poluição”.

Os dados fornecidos pelo governo chinês mostram que “câncer do pulmão é a maior causa de morte entre os tumores malignos. Muitos dos falecidos não eram fumantes”, acrescentou o jornal.

Se isso acontecesse num país não-comunista a algazarra ecologista não teria limites. Mas, na China comunista…. ora, a China! Quem melhor do que a China!

Estamos acostumados a ouvir despropósitos de ativistas radicais “verdes”, mas este numa primeira leitura pareceu-nos uma montagem.

Pois ele exprime de um modo tão primário o fundo comunista da ofensiva ambientalista como não é habitual em altas personalidades “verdes” habituadas a dissimular seus objetivos últimos.

Porém, fomos procurar as fontes primárias da informação e tivemos que nos render à realidade.

Aliás, o posicionamento da alta funcionária da ONU confirma o que viemos denunciando neste blog:

a ofensiva “verde” hodierna camufla o velho comunismo fracassado com a URSS e que agora tenta atingir seus objetivos originais se travestindo de ecologismo.

Leia mais: 

Al Gore Previu Ártico sem Gelo em 2013; Calota Polar se Expande 50 Por Cento!








Descoberto Efeito Estufa em Gás que é 7100 Vezes Mais Potente do que Dióxido de Carbono








Conheça o que Dizem os Céticos Sobre o Aquecimento Global






Geoengenharia Pretende Controlar Clima na Terra










Fontes:

– Verde – A cor nova do comunismo: ONU: contra “aquecimento global” comunismo chinês é melhor que democracia

Bloomberg: Biggest Emitter China Best on Climate, Figueres Says

Reuters: China approves massive new coal capacity despite pollution fears

The Wall Street Jornal: No Quick Fix for China’s Air Quality

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>