«

»

dez 28

Tudo Sobre Snowden e o Monitoramento pelos EUA

GD Star Rating
loading...

 

Edward Snowden se ofereceu para ajudar o Brasil a investigar a espionagem dos EUA em seu território em troca de asilo político, em uma carta aberta do denunciante da NSA ao povo brasileiro publicadas pelo jornal Folha de S Paulo.

Eu já expressei minha vontade de ajudar onde é apropriado e legal, mas, infelizmente, o governo dos EUA tem trabalhado duro para limitar a minha capacidade de fazê-lo“, disse Snowden na carta.

Até que um país me conceda asilo político permanente, o governo dos EUA vai continuar a interferir com a minha capacidade de falar“, disse ele.

Por asilo, Snowden promete ajudar Brasil

O delator do esquema de espionagem do governo americano, Edward Snowden, promete colaborar com a investigação sobre as ações da NSA (Agência de Segurança Nacional) no Brasil. Para que possa fazer isso, em troca, quer asilo político do governo Dilma Rousseff.

A promessa de ajuda está em uma “carta aberta ao povo do Brasil”, obtida pela Folha, que será enviada a autoridades e fará parte de uma campanha on-line, hospedada no site da ONG Avaaz, especializada em petições.

Leia mais:



Edward Snowden: “Um Manifesto pela Verdade”

 

Documentos da NSA Vazados por Snowden Agora Exclusivamente nas Mãos do Magnata do Ebay
A campanha, em nome de Snowden, será liderada pelo brasileiro David Miranda, namorado de Glenn Greenwald, o jornalista que revelou o esquema. A ideia é sensibilizar Dilma a conceder abrigo a Snowden, ex-agente de inteligência do governo americano.

Muitos senadores brasileiros pediram minha ajuda com suas investigações sobre suspeita de crimes contra cidadãos brasileiros. Expressei minha disposição de auxiliar, quando isso for apropriado e legal, mas infelizmente o governo dos EUA vem trabalhando muito arduamente para limitar minha capacidade de fazê-lo“, declara na carta, originalmente em inglês.

Snowden se refere à CPI aberta no Senado para investigar as atividades da NSA no Brasil, que incluíram monitoramento de telefonemas e de emails de Dilma e da Petrobras.

Segundo ele, não é possível colaborar diante da precária situação jurídica em que se encontra, com apenas asilo temporário, concedido pela Rússia até o meio de 2014.

O ex-prestador de serviços para a NSA, que está na Rússia desde junho, reclama de lá ter seus movimentos muito limitados, sem condições de fazer um verdadeiro debate sobre o escândalo, de acordo com Glenn Greenwald, o jornalista para quem ele vazou os dados.

No Brasil, com status de asilado permanente, teria mais liberdade para isso.

Snowden toma cuidado, na carta, de não se dirigir diretamente a Dilma. A razão é não melindrar o governo russo, que o hospeda. Mas, ainda de acordo com Greenwald, ele quer vir para o Brasil.

Em junho, Snowden revelou ao jornalista, à época trabalhando para o diário inglês “Guardian”, documentos que mostram a capacidade do governo americano de espionar cidadãos e empresas em vários países.

Hoje, se você carrega um celular em São Paulo, a NSA pode rastrear onde você se encontra, e o faz. […] Quando uma pessoa em Florianópolis visita um site na internet, a NSA mantém um registro de quando isso aconteceu e do que você fez naquele site. Se uma mãe em Porto Alegre telefona a seu filho para lhe desejar sorte no vestibular, a NSA pode guardar o registro da ligação por cinco anos ou mais tempo“, afirma, na carta.

Segundo Snowden, a vigilância sem critério “ameaça tornar-se o maior desafio aos direitos humanos de nossos tempos”.

A NSA e outras agências de espionagem aliadas nos dizem que, pelo bem da nossa própria ‘segurança’ –em nome da ‘segurança’ de Dilma, em nome da ‘segurança’ da Petrobras–, revogaram nosso direito à privacidade e invadiram nossas vidas. E o fizeram sem pedir a permissão da população de qualquer país, nem mesmo do deles“, afirma, em outro trecho.

Apátrida

Após chegar à Rússia, Snowden enviou pedido a vários países, Brasil inclusive. Mas não obteve resposta. Quem respondeu favoravelmente foram Bolívia, Venezuela e Nicarágua, mas Snowden prefere o Brasil.

“O Brasil é o lugar ideal por ser um país forte politicamente, onde as revelações tiveram um impacto real”, afirma Miranda. O argumento jurídico para convencer as autoridades brasileiras é o de que os direitos humanos de Snowden estão ameaçados.

Se o governo brasileiro agradece a ele pelas revelações, é lógico protegê-lo“, declara Greenwald.

O Brasil, lembra Snowden na carta, foi coautor, ao lado da Alemanha, do texto da resolução aprovada por uma comissão da Assembleia Geral da ONU, em que se associava o impacto da espionagem a violações aos direitos humanos.

“Nossos direitos não podem ser limitados por uma organização secreta, e autoridades americanas nunca deveriam decidir sobre as liberdades de cidadãos brasileiros”, afirma ele.

Snowden recorda que a decisão de revelar ao mundo o esquema de espionagem custou sua família, sua casa e pôs sua vida em risco.

“O preço do meu discurso foi meu passaporte, mas eu o pagaria novamente. Prefiro virar apátrida a perder minha voz”, declara.

Entenda o caso

maio

Snowden, que trabalhava no escritório da NSA no Havaí, copia documentos da agência

20 de maio

Vai a Hong Kong para conceder entrevistas a Glenn Greenwald, do jornal “Guardian”

9 de junho

Após jornal publicar reportagens, ex-técnico da NSA revela ser responsável por vazar dados sobre espionagem dos EUA

22 de junho

EUA acusam Snowden, cancelam seu passaporte e pedem a Hong Kong que o extradite

23 de junho

Snowden sai de Hong Kong rumo a Moscou; fica na área de trânsito do aeroporto Sheremetyevo, sem entrar oficialmente no país por cerca de um mês

2 a 7 de julho

Snowden pede asilo a 21 nações, inclusive Brasil, que nega

7 de julho

“O Globo” informa que cidadãos e empresas no Brasil foram espionados pela NSA

16 de julho

Snowden pede asilo temporário à Rússia

1º de agosto

Snowden obtém asilo da Rússia

18 de agosto

David Miranda, namorado de Greenwald, que publicou os casos de espionagem, é detido no aeroporto de Londres

1º de setembro

TV Globo revela que Dilma teve comunicação com seus assessores interceptada

8 de setembro

TV Globo informa que Petrobras foi alvo de espionagem

17 de setembro

Dilma cancela ida aos EUA

11 de dezembro

Atrás apenas do papa, Snowden é eleito a segunda personalidade mais importante do mundo pela revista “Time”

16 de dezembro

Corte dos EUA decide que monitoramento de cidadãos americanos é ilegal

Anonymous faz campanha para Brasil dar asilo a Edward Snowden

O possível pedido de asilo de Edward Snowden, ex-prestador de serviços da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA), fez com que o Anonymous do Brasil iniciasse uma campanha na rede para que o governo brasileiro acolha o responsável pelos vazamentos que revelaram os programas de espionagem do governo norte-americano.

Segundo fontes do próprio grupo de hackers ativistas, a ideia da campanha é pressionar o governo brasileiro a dar asilo para o norte-americano. O Anonymous pretende conquistar o apoio e a força dos internautas na rede para a causa.

Além do Facebook e do Twitter, o grupo prepara um vídeo para publicação no canal do YouTube. O canal brasileiro é o segundo com maior número de seguidores do mundo. Não estão descartadas as invasões e ataques a sites do governo para divulgação da mensagem. A campanha teria também a participação de outros membros do Anonymous do Reino Unido e dos Estados Unidos.

O grupo considera Edward Snowden um herói da internet livre por ter revelado a espionagem de Estados contra outros líderes, empresas e cidadãos na rede.

— Por muitos anos, temos alertado os cidadãos do mundo sobre as ameaças que os governos representam para a liberdades da internet. Durante este período de tempo, muitas pessoas acordaram para as mentiras contadas por funcionários do governo e agora compreenderam a importância de manter a internet aberta e livre para que todos a usem.

Carta aberta

Divulgada nesta terça-feira (17), a carta aberta do ex-analista ao povo brasileiro ainda não teve sua autenticidade comprovada. No documento, Snowden afirma que gostaria de colaborar com o governo brasileiro nas investigações contra a espionagem da NSA.

Vazamentos feitos por Snowden mostraram quem são os alvos e métodos de espionagem da NSA, que invadiu e-mails e grampeou comunicações de vários líderes mundiais, dentre eles a presidente Dilma Rousseff. Companhias do País e cidadãos também foram monitorados pela NSA, segundo os dados vazados pelo norte-americano.

Ainda nesta terça, o brasileiro David Miranda, amigo do jornalista britânico que publicou as denúncias de Snowden criou uma petição pedindo asilo político ao ex-analista da NSA. Com o nome de “Asilo no Brasil para o corajoso Edward Snowden!“, a petição já bateu sua meta de 5 mil assinaturas. Mais de 5.100 brasileiros já aderiram ao projeto.

Leia íntegra da carta de Snowden ao Brasil



No texto abaixo, intitulado “Carta Aberta ao Povo do Brasil”, Snowden diz que a reação do país às suas revelações foi “inspiradora”.

CARTA ABERTA AO POVO DO BRASIL

EDWARD SNOWDEN

Seis meses atrás, emergi das sombras da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA para me posicionar diante da câmera de um jornalista. Compartilhei com o mundo provas de que alguns governos estão montando um sistema de vigilância mundial para rastrear secretamente como vivemos, com quem conversamos e o que dizemos.



Fui para diante daquela câmera de olhos abertos, com a consciência de que a decisão custaria minha família e meu lar e colocaria minha vida em risco. O que me motivava era a ideia de que os cidadãos do mundo merecem entender o sistema dentro do qual vivem.



Meu maior medo era que ninguém desse ouvidos ao meu aviso. Nunca antes fiquei tão feliz por ter estado tão equivocado. A reação em certos países vem sendo especialmente inspiradora para mim, e o Brasil é um deles, sem dúvida.



Na NSA, testemunhei com preocupação crescente a vigilância de populações inteiras sem que houvesse qualquer suspeita de ato criminoso, e essa vigilância ameaça tornar-se o maior desafio aos direitos humanos de nossos tempos.



A NSA e outras agências de espionagem nos dizem que, pelo bem de nossa própria “segurança” –em nome da “segurança” de Dilma, em nome da “segurança” da Petrobras–, revogaram nosso direito de privacidade e invadiram nossas vidas. E o fizeram sem pedir a permissão da população de qualquer país, nem mesmo do delas.



Hoje, se você carrega um celular em São Paulo, a NSA pode rastrear onde você se encontra, e o faz: ela faz isso 5 bilhões de vezes por dia com pessoas no mundo inteiro.



Quando uma pessoa em Florianópolis visita um site na internet, a NSA mantém um registro de quando isso aconteceu e do que você fez naquele site. Se uma mãe em Porto Alegre telefona a seu filho para lhe desejar sorte no vestibular, a NSA pode guardar o registro da ligação por cinco anos ou mais tempo.



A agência chega a guardar registros de quem tem um caso extraconjugal ou visita sites de pornografia, para o caso de precisarem sujar a reputação de seus alvos.



Senadores dos EUA nos dizem que o Brasil não deveria se preocupar, porque isso não é “vigilância”, é “coleta de dados”. Dizem que isso é feito para manter as pessoas em segurança. Estão enganados.



Existe uma diferença enorme entre programas legais, espionagem legítima, atuação policial legítima –em que indivíduos são vigiados com base em suspeitas razoáveis, individualizadas– e esses programas de vigilância em massa para a formação de uma rede de informações, que colocam populações inteiras sob vigilância onipresente e salvam cópias de tudo para sempre.



Esses programas nunca foram motivados pela luta contra o terrorismo: são motivados por espionagem econômica, controle social e manipulação diplomática. Pela busca de poder.



Muitos senadores brasileiros concordam e pediram minha ajuda com suas investigações sobre a suspeita de crimes cometidos contra cidadãos brasileiros.



Expressei minha disposição de auxiliar quando isso for apropriado e legal, mas, infelizmente, o governo dos EUA vem trabalhando arduamente para limitar minha capacidade de fazê-lo, chegando ao ponto de obrigar o avião presidencial de Evo Morales a pousar para me impedir de viajar à América Latina!



Até que um país conceda asilo político permanente, o governo dos EUA vai continuar a interferir com minha capacidade de falar.



Seis meses atrás, revelei que a NSA queria ouvir o mundo inteiro. Agora o mundo inteiro está ouvindo de volta e também falando. E a NSA não gosta do que está ouvindo.



A cultura de vigilância mundial indiscriminada, que foi exposta a debates públicos e investigações reais em todos os continentes, está desabando.



Apenas três semanas atrás, o Brasil liderou o Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas para reconhecer, pela primeira vez na história, que a privacidade não para onde a rede digital começa e que a vigilância em massa de inocentes é uma violação dos direitos humanos.



A maré virou, e finalmente podemos visualizar um futuro em que possamos desfrutar de segurança sem sacrificar nossa privacidade.



Nossos direitos não podem ser limitados por uma organização secreta, e autoridades americanas nunca deveriam decidir sobre as liberdades de cidadãos brasileiros.



Mesmo os defensores da vigilância de massa, aqueles que talvez não estejam convencidos de que tecnologias de vigilância ultrapassaram perigosamente controles democráticos, hoje concordem que, em democracias, a vigilância do público tem de ser debatida pelo público.



Meu ato de consciência começou com uma declaração: “Não quero viver em um mundo em que tudo o que digo, tudo o que faço, todos com quem falo, cada expressão de criatividade, de amor ou amizade seja registrado. Não é algo que estou disposto a apoiar, não é algo que estou disposto a construir e não é algo sob o qual estou disposto a viver.”



Dias mais tarde, fui informado que meu governo me tinha convertido em apátrida e queria me encarcerar. O preço do meu discurso foi meu passaporte, mas eu o pagaria novamente: não serei eu que ignorarei a criminalidade em nome do conforto político. Prefiro virar apátrida a perder minha voz.



Se o Brasil ouvir apenas uma coisa de mim, que seja o seguinte: quando todos nos unirmos contra as injustiças e em defesa da privacidade e dos direitos humanos básicos, poderemos nos defender até dos mais poderosos dos sistemas.



Leia também:

A NSA espionava milhares de jogadores de ‘World of Warcraft’ e ‘Second Life

 

NSA Monitora Posição de ‘Milhões’ de Celulares no Mundo Inteiro

 

Ascensão da Skynet: Google, NASA e NSA Adquirem Computadores Quânticos de 512 qubits – Monitoramento Total?









Fontes:

InfoWars: Edward Snowden offers to help Brazil over US spying in return for asylum

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>