«

»

nov 11

Fundação Gates: Perigosos Contraceptivos para Mulheres Negras

GD Star Rating
loading...

Nenhuma mulher africana concordaria em fazer uso do Depo Provera se ela tivesse pleno conhecimento dos riscos“.

A Fundação Bill e Melinda Gates está sendo criticada por líderes de organizações negras e  defensores dos direitos humanos, pois financia e promove uma nova forma do controverso anticoncepcional Depo Provera, especialmente dirigido às mulheres da África e países em desenvolvimento. Melinda Gates,
mulher do bilionário da Microsoft Bill Gates, disse recentemente ao New York Times que ela está defendendo a ampla distribuição da droga abrangendo as mulheres pobres de todo o mundo. Mas Kwame Fosu, diretor de políticas do Rebecca Project e dos Direitos Humanos, afirma que as reivindicações da Sra. Gates são “hipócritas”, porque as mulheres que ela afirma estar ajudando não estão sendo informadas sobre os
perigos envolvidos.
Nenhuma mulher Africana concordaria em ser injetada se ela tivesse pleno conhecimento dos perigosos efeitos colaterais dos contraceptivos“, disse Kwame Fosu a C-FAM ,  Instituto da Família Católica e dos Direitos Humanos. “Na verdade, em países onde as mulheres são educadas sobre as complicações nocivas, o uso do Depo Provera é insignificante”.

Depo Provera (Pfizer Corporation), o contraceptivo mais mortal (de acordo com a FDA), está sendo comercializado amplamente com malícia e premeditação em nossas preciosas mulheres e meninas africanas“,
disse Randy Short,  porta-voz  de  Washington, DC para o Rebecca Project e dos Direitos Humanos, em uma declaração contundente  no início deste ano, expondo o esquema de Gates-Depo Provera. “Muitos países proibiram, mas ela continua a ser usada nos EUA, no Caribe, Oceania, América Latina e
África
“, observou Dr. Short. “O uso de Depo Provera, contribuiu em vários casos provocando doenças fatais e problemas médicos: cancro do colo do útero, câncer de mama, diabetes, osteoporose, acidente vascular cerebral, ataque cardíaco, esterilidade, abortos, HIV/AIDS, clamídia, e outras doenças sexualmente transmissíveis“.
Dr. Short disse ainda:
Nos EUA, 84% do Depo Provera é usado por mulheres negras. Onde quer que haja altos índices de HIV/AIDS na África, o uso de Depo Provera é universal. Em 2010, a experimentação humana com Depo Provera foi feita
ilegalmente em Gana. A USAID envia mais Depo Provera para a África do que qualquer outra droga, e da Fundação Bill e Melinda Gates recentemente levantou 2,6 bilhões dólar dólares para comprar Depo Provera,  garantindo a distribuição para 100 milhões de mulheres africanas gratuitamente.
Dr. Short notou que a Fundação Bill e Melinda Gates começou a ter problemas na Nigéria com algum projeto de vacinação que está sendo feito em 180 mil mulheres africanas. “Gates sabe que a droga é mortal“, diz Short. “O pai do Bill Gates era um eugenista fervoroso“.
Um novo e extenso relatório do Rebecca Project  intitulado “Depo-Provera: Violência Reprodutiva mortal contra as Mulheres”, fornece uma crítica devastadora das atividades antiéticas e criminosas de organizações que promovem o Depo Provera causa em mulheres pobres pelo mundo. Entre as muitas revelações importantes do relatório é o segredo sujo dos laços com a gigante farmacêutica Pfizer e os poderosos `intermediários´ “.
De acordo com o relatório Rebecca Project, o Departamento de Justiça dos EUA deve cobrar a Pfizer e seus principais intermediários institucionais por fraude pelas  seguintes razões:
– Bill e Melinda Gates, USAID, Population Council, Fundação Ford, Fundação Rockefeller, Planned Parenthood, Mailman School of Public Health da Columbia, Escola Bloomberg de Saúde Pública Johns Hopkins, estão engajados em um padrão de esquemas de promoção fraudulenta e ilegal com outros agentes e
empreiteiros, para enganar e defraudar os pacientes, os contribuintes norte-americanos, médicos éticos, prestadores éticos anticoncepcionais, reguladores / FDA, companhias de seguros, programas de saúde federais e estaduais, por fazer prescrição e pagamentos de Depo Provera.
O relatório também afirma:
Os Estados Unidos criou uma população normativa e a visão de um mundo dirigido por um patchwork de políticas promulgadas por organizações, cuja formação ideológica é financiada por eugenistas. Na camada superior da política de controle da população estão as organizações criadas pelos pioneiros e mecenas do movimento eugênico: Planned Parenthood Federation of America (PPFA), International Planned Parenthood Federation (IPPF), Conselho da População, FNUAP (Fundo das Nações Unidas para a População) e seus patronos: a Fundação Ford, (Margaret Hempel), a Fundação Rockefeller, (Judith Rodin) e USAID. Os recém-chegados a este grupo de elite dos formuladores de políticas eugenistas são Bill e Melinda Gates, e congratularam-se promovendo o anticoncepcional injetável Depo Provera enquanto escondem danos fatais.
“The Good Club”

Como já relatado anteriormente pelo The New American, Bill e Melinda Gates são membros de um secreto grupo da elite que se autodenomina “The Good Club”, composto por eugenistas bilionários que defendem o

controle da população. Os membros deste grupo incluem David Rockefeller, GeorgeSoros, Warren Buffett, Michael Bloomberg, Ted Turner e Oprah Winfrey. The Good Club é um dos maiores financiadores da Iniciativa de Saúde Global da administração Obama, que está fortalecendo ainda mais a Organização Mundial de Saúde, Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e outras agências das Nações Unidas.
 

Fontes: 

– The New American – Gates Foundation Pushing Dangerous Contraceptives on Black Populations
– C-Fam – 
Black Leaders, Rights Experts Denounce Gates’ New Contraceptive that May Increase HIV Risk

Tradução: Jahaisa 

Veja também:

Fundação Gates Financia Vigilância de Grupos Anti-Vacina
http://4.bp.blogspot.com/-tUoKRvShbOQ/UEJbpUsuwII/AAAAAAAAH_4/9_fHwXiNxT4/s1600/bill-gates_post.jpg

Bill Gates admite que vacinas são usadas para depopulação humana

Fundação Gates: Perigosos Contraceptivos para Mulheres Negras, 10.0 out of 10 based on 1 rating

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>