«

»

nov 04

[Alerta] Pedofilia Rumo a Orientação Sexual?

GD Star Rating
loading...

As pessoas podem se classificar como heterossexuais, homossexuais, assexuais, metro-sexuais. Existem orientações sexuais intermináveis ​​sob o sol, e agora, a pedofilia pode ser adicionada à lista se depender de alguns cientistas mais liberais e organizações que defendem esta prática criminosa.

Na quinta edição do Dicionário de Saúde Mental 5 (DSM 5), a Associação Psicológica Americana (APA) desenhou uma linha muito distinta entre pedofilia e desordem pedófila. Pedofilia refere-se a uma orientação sexual ou profissão de preferência sexual desprovido de consumação, enquanto o distúrbio pedófilo é definido como uma compulsão e é usado em referência aos indivíduos que que colocam em ação esta sua sexualidade.

A decisão da APA deu força a numerosos grupos de defesa a pedofilia, o maior deles sendo o B4U-ACT, uma organização sem fins lucrativos com sede em Maryland. Criado em 2003, principalmente como um meio para “pessoas atraídas por menores” para se abrirem sobre suas preferências sexuais em uma atmosfera de apoio, B4U-ACT agora está alargando o âmbito da sua organização.

De acordo com o porta-voz e criminoso sexual Paul Christiano, o grupo de defesa da pedofilia está “trabalhando para de-estigmatizar a comunidade de saúde mental.” Christiano explicou que atitudes sociais negativas para com as pessoas pessoas atraídas por menores acaba refletindo na formulação de políticas e na comunidade de saúde mental”.

A expressão “A elaboração de políticas” é usada principalmente em referência ao registos de criminosos sexuais. Christiano não está sozinho na defesa desta mudança dentro do sistema. Caitlin Myers, um estudante de doutorado em Sociologia na Universidade do Sul da Califórnia, diz que o registro precisa ser “mais sensível à natureza do crime.” Myers explicou que o principal problema dentro do próprio registos de criminosos sexuais é a visão de que um “modelo único” para os crimes sexuais. “Pode haver um homem que cometeu 20 estupros consecutivos e um menino de 19 anos de idade, que teve relações sexuais com sua namorada de 17 anos, e eles seriam punidos da mesma maneira.

A mudança para o sistema é compreensível, mas os motivos da organização B4U-ACT para defender esta mudança permanece obscura. Quando questionados sobre a maneira mais responsável  do pedófilo gerenciar suas preferências sexuais, Christiano respondeu que, enquanto B4U-ACT incentiva as pessoas atraídas por menores dentro da organização para que reconheçam abertamente seus sentimentos e desejos, tais preferências sexuais devem permanecer puramente um exercício mental e portanto totalmente não consumadas. Em outras palavras, os pedófilos devem ser autorizados a fantasiar sobre menores, desde que tais atos nunca se consumam.

B4U -ACT não tolera atividade ilegal“, Christiano insistiu.

No entanto, como podemos ter certeza de que tal comportamento permanece inteiramente na mente e não realizadas em um quarto? Resposta: não podemos. Myers confirmou que é “cientificamente impossível resolver a questão de se uma pessoa atraída por menores de idade vai agir ou não em sua compulsão.”

Em um ensaio escrito para a sua tese como um estudante de graduação, Christiano defendeu a “autonomia sexual” das crianças, alegando que as crianças” não devem ser deixadas no escuro em relação a sua própria sexualidade.” Com mais educação sobre a sua sexualidade, Christiano fundamentou, vem mais conhecimento dos limites e que eles querem ou não.

No entanto, há uma sugestão fundamental de que, com o conhecimento sexual vem consentimento sexual. Se fosse permitido às crianças a serem sexualmente mais autônomas, seriam elas capazes de consentir totalmente uma relação sexual ou, mais importante, um relacionamento sexual com um adulto?

Enquanto Myers concorda que a discussão aberta e o reconhecimento da sexualidade é algo que está faltando na nossa sociedade atual, ela enfatiza que as crianças não podem dar o seu consentimento. “Em teoria“, diz Myers,” a pedofilia como uma orientação sexual praticada anda uma linha tênue. Não há possibilidade da pedofilia se tornar uma orientação sexual aceita na cultura atual”.

De acordo com Christiano, as pessoas devem ser autorizados a celebrar sexo e sexualidade, “um dos poucos prazeres da vida gratuitos.” A comunidade de pessoas atraídas por menores tem, como um todo “negada suas complexidades.”

————————————————–

Nota blog: Lendo o artigo diversas vezes, cheguei a conclusão que o título original “Pedofilia agora é classificada como orientação sexual” não fecha com o conteúdo do texto após uma análise mais detalhada.

De acordo com o DSM-5, a pedofilia não é classificada como uma orientação sexual. A principal mudança no DSM-5 é que parafilias, como uma categoria geral, distinguem-se dos distúrbios parafílicas. A pedofilia foi, tal como anteriormente, listado como um parafilia, como é zoofilia, sadismo, masoquismo, e assim por diante. Agora, há apenas uma coisa separada chamada “desordem pedófila“, por causa de um reconhecimento de que algumas pessoas têm um fetiche, mas não são predadores.

Claro que muitos grupos que agora pretendem se aproveitar desta diferenciação para abrir uma brecha para legalizar suas taras.

Quem iria gostar muito de uma mudança como esta é o ativista dos movimentos LGBT no Brasil, Luiz Mott, que já demostrou por diversas vezes o desejo de que a lei brasileira se espelhasse nos costumes de sociedades antigas, que permitiam o sexo entre adultos e crianças/adolescentes. Se tiver estômago forte, leia este texto de sua autoria chamado “Meu moleque ideal“. Nesta troca de emails em uma lista de discussões, também deixa transparecer suas convicções.

Participe também da discussão no Fórum Anti-Nova Ordem Mundial.

Fontes:
– Neotommy: Pedophilia Now Classified As A Sexual Orientation
– Fórum Anti-NOM

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>