«

»

jul 25

De Bilderberg a Google-Berg: Reestruturação Tecnocrática da Elite Global

GD Star Rating
loading...

Os eventos em curso em todo o mundo mostram cada vez mais claramente que os mais importantes objetivos da elite mundial concentram-se em torno do projeto de uma total re-estruturação da consciência humana. De fato, esses objetivos são simultaneamente os fins e os meios de uma “nova ordem mundial”. A mais recente reunião do Grupo Bilderberg, realizada nos dias 6-9/6/2013 no Grove Hotel, num subúrbio de Londres, é especialmente eloquente quanto a isso…

Pela primeira vez, houve informação abundante sobre o local da reunião, agenda e lista de participantes, desde muito antes da data marcada, tanto nos grandes veículos comerciais de informação e noticiário quanto nas mídias alternativas.

Por exemplo, o jornal The Telegraph escreveu sobre a reunião, em artigo intitulado “Grupo Bilderberg? Não são conspiradores. São só o grupo mais influente do mundo”.[1] No jornal do dia seguinte, o mesmo Telegraph apresentava “Grupo Bilderberg 2013: lista de convidados e agenda”, com as questões a serem discutidas na reunião.[2]

Uma fonte interna deu informação ainda mais detalhada sobre a agenda ao site Infowars.com, demarcando dois grandes blocos de questões que seriam discutidas. No primeiro, os assuntos econômicos: aumentar os poderes dos bancos centrais (o que ali se chama “reformas bancárias”); resgatar bancos para manter o suporte ao euro e preservar a eurozona; criar sistemas mais efetivos de arrecadação de impostos; impedir que a Grã-Bretanha separe-se da União Europeia; disseminar protestos sociais induzidos por medidas de austeridade; manter mínimo o crescimento econômico em 2013; e concentrar a riqueza das populações em mãos de empresas gigantes e dos super ricos.

No segundo bloco, reúnem-se questões militares, políticas e de controle psicossocial: atacar instalações nucleares no Irã, se não suspender todos os programas nucleares no prazo de três anos; armar a oposição, para manter e prolongar a guerra na Síria; considerar o risco de pandemias planetárias; controlar a produção de impressoras 3D; controle estatal sobre a Internet, para gerar “ciber-resiliência”[3]; controle sobre a disseminação de informação, mediante um ‘Ministério da Verdade’ (antiga ideia sempre acalentada por Bill Clinton); e criar “cidades inteligentes” capazes de observar todos os aspectos da vida e do comportamento humano, para desenvolver tecnologias, métodos, técnicas e táticas de total supervisão das populações.

Para dar conta dessas tarefas, a esfera tecnocrática tem de ser rapidamente estruturada. Isso já está sendo feito, bem diante de nossos olhos. Como Paul Joseph Watson e Alex Jones, editores do site Infowars.com, observaram bem, o Grupo Bilderberg, como outras organizações-sombra, estão em período de importante transformação. No caso do Grupo Bilderberg, forjaram uma associação com a empresa Google; Eric Emerson Schmidt[4], presidente executivo da Google e presença regular nas reuniões do grupo, é o elemento de ligação.

O local onde o Grupo Bilderberg reuniu-se esse ano, o Grove Hotel, em Londres, foi escolhido por uma razão: ali, desde o início de 2007, realizam-se as conferências Google conhecidas como Google Zeitgeist [O espírito Google do tempo]; nessas reuniões, analisam-se resultados de pesquisas feitas no universo de bilhões de usuários do sistema e estruturam-se resumos e resultados. Em 2013, a conferência Google aconteceu literalmente na véspera da reunião do Grupo Bilderberg, no mesmo local.

É o mesmo que dizer que o Grove Hotel britânico está convertido em uma espécie de “base doméstica” para o desenvolvimento da agenda da empresa Google, no campo da política tecnológica mundial. A empresa Google trabalha hoje como uma versão “mais íntimo-amigável” [orig. “cuddlier”] do Grupo de Bilderberg, como disse o jornal Independent, o qual, por sua vez, passa por total reestruturação tecnocrática.

O espírito Google do tempo 

Cerca de 400 delegados reúnem-se anualmente nessas conferências Google, para discutir tópicos chaves na política e na cultura mundiais, e para desenvolver planos de ação que visam a prevenir e impedir os efeitos mais graves da “reação contra a globalização”.[5] Dentre os presentes, há jornalistas, comentaristas e ‘especialistas’ de jornais e televisão, além de celebridades consagradas e em ascensão. Esse ano, lá estiveram Jim O’Neil, de Goldman Sachs; Bill Clinton; e a cantora Annie Lennox. Os lucros da empresa cresceram, em 2012, 60%, 2,89 bilhões de dólares.

As conferências Google Zeitgeist são uma forma de governo mais efetiva que a tradicional. O Grupo Bilderberg tem péssima reputação, são vistos como conspiradores; mas a empresa Google pode controlar tudo abertamente, uma vez que é pressuposto, na sua simples definição como empresa prestadora de serviços de informação, que ela, ao mesmo tempo em que distribui informação, também recolha informação, sem as quais não pode(ria) prestar serviços… de informação! Em outras palavras: sob o disfarce de empresa democrática, até filantrópica, é organização totalitária, que jornalistas independentes já chamam de “Google-Berg” (“Bilderberg reformatado: um Google-Berg”).

O Google se tornou uma forma altamente conveniente de mascarar a operação das agências de inteligência. Como os mesmos investigadores independentes já sabem,[6] os primeiros arregimentadores do que se conhece como “Primavera Árabe”, que assumiu o formato de agitações de civis, foram recrutados pela empresa Google e participaram de Conferências Zeitgeist no hotel Grove. Há farta documentação, por exemplo, que comprova que o egípcio Wael Ghonim, que iniciou a ‘revolução’ no Egito que levou à ditadura da Fraternidade Muçulmana [hoje ameaçada de golpe pelo exército egípcio[7] (NTs)], era empregado da Google, gerente-geral de marketing para o Oriente Médio e Norte da África. Eric Schmidt declarou-se orgulhoso do que Ghonim fez; e repetiu que o uso de Facebook, Twitter e ferramentas de Internet para disparar protestos populares no Egito é “bom exemplo de transparência”.[8]

Google exerce influência cada vez maior sobre os governos dos EUA e da Grã-Bretanha. Não que seja trabalho muito difícil de fazer, dado que Eric Schmidt é membro do Conselho de Assessores do presidente Obama para questões de Ciência e Tecnologia; e preside a [Fundação] New America Foundation, sem finalidades de lucro e patrocinadora da campanha eleitoral de Barack Obama. Foi-lhe oferecido, até, o cargo de Secretário do Tesouro dos EUA.

Na Grã-Bretanha, representantes da empresa Google reuniram-se, desde as eleições gerais de 2010, só até agora, nada menos que 23 vezes com membros do Partido Conservador. David Cameron foi convidado-palestrante na Conferência Espírito Google do Tempo de 2006, quatro anos antes de tornar-se primeiro-ministro. (…)

As Conferências Google reúnem as cabeças que a empresa considera capazes de “modelar o futuro global”. E a própria empresa posiciona-se para acumular mais força que os governos, no monitoramento e controle do comportamento das pessoas – como parecem ter conseguido fazer no Egito e na Tunísia. A interferência da empresa Google em assuntos internos de países europeus já é tão ativa que recentemente, a Comissão Europeia iniciou uma investigação do que considera abuso, por aquela empresa, da posição de líder do mercado de serviços de informação.

O presidente da empresa Google jamais escondeu sua ambição de controlar a sociedade; falou disso inúmeras vezes, sempre enfatizando que a privacidade é relíquia do passado; e de seus planos para converter a empresa Google num “Grande Irmão” (Big Brother) que faça o 1984 de George Orwell parecer conto de fadas.

Numa de suas palestras, Eric Schmidt disse: “Já nem precisamos que você digite. Sabemos onde você está. Sabemos onde esteve antes. Sabemos mais ou menos o que você está pensando. Acho que, de fato, as pessoas não usam a Google para responder perguntas (…) Querem, isso sim, que a Google lhes diga o que estarão fazendo dentro de meia hora, quinze minutos (…) Sabemos tudo que vocês fazem e o governo não perde o rastro de ninguém. Com o tempo, saberemos marcar sua posição, com precisão de milímetros, ao longo do tempo. Seu carro se dirigirá sozinho. Não é verdade que os carros tenham sido inventados antes dos computadores… Você nunca fica sozinho… Você nunca se entedia.”[9] (…)

O que se vê é que os métodos pelos quais a elite do dinheiro governa os governos está passando por mudanças: antes, as elites governavam clandestinamente; agora, governam à vista de todos. Nesse quadro, tudo muda: mudam as conferências, as reuniões de cúpula e até as negociações secretas. Foi o que se viu na mais recente reunião do Grupo Bilderberg, a primeira que pode ser descrita como “anticonspirológica”: agenda divulgada, lista de autoridades presentes divulgada, tudo ‘público’, tudo, tudo muito ‘transparente’. (…)

Ver também:

Rede Castor: Um diagrama do capitalismo cognitivo e da exploração da inteligência social geral

Fontes:

Tradução: Vila Vudu

Strategic Culture Foundation: From Bilderberg to Google-Berg: The Technocratic Restructuring of the Global Elite

Referências:

[1] The Telegraph: Bilderberg Group? No conspiracy, just the most influential group in the world

[2] The Telegraph: “Bilderberg Group 2013: guest list and agenda”

“A lista dos temas a ser discutidos em 2013 é a seguinte:

•Os EUA e a Europa podem crescer mais depressa e criar empregos?

• Empregos, entitlement e dívida.

• Como big data estão mudando praticamente tudo.

• Nacionalismo e populismo.

• Política externa dos EUA.

• Desafios da África.

• Ciberguerra e a proliferação de ameaças assimétricas.

• Principais tendências na pesquisa médica.

• Educação Online: promessa e impactos.

• Política da União Europeia.

• Desenvolvimentos no Oriente Médio.

• Temas da atualidade.”

[3] Resiliência é um conceito psicológico emprestado da química, definido como a capacidade de o indivíduo lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas – choque, estresse etc. – sem entrar em surto psicológico. A American Psychological Association define resiliência como o “processo e resultado de se adaptar com sucesso a experiências de vida difíceis ou desafiadoras, especialmente através da flexibilidade mental, emocional e comportamental e ajustamento a demandas externas e internas” (http://pt.wikipedia.org/wiki/Resili%C3%AAncia_(psicologia))

[4] Prison Planet: Google-Berg: Global Elite Transforms Itself For Technocratic Revolution

[5] The Independent: The great Google gathering

[6] Ordo ab Chao: De Bilderberg 2013 à Google-berg pour une Révolution Technocratique

[7] Reuters: Egypt army plans for after Mursi as clock ticks 2/7/2013

[8] CNET: Google proud of Wael Ghonim’s role in Egyptian protests

[9] Telegraph: Eric Schmidt: Google gets close to ‘the creepy line’

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>