«

»

jun 25

Conspirações Terroristas – Criadas pelo FBI

GD Star Rating
loading...

O artigo abaixo foi publicado em abril/2012 no New York Times:

Os Estados Unidos têm sido por pouco salvo de conspirações terroristas letais nos últimos anos – ou pelo menos assim pareceu. Um pretenso suicida foi interceptado em seu caminho para o Capitólio, um esquema para explodir bombas em sinagogas e disparar mísseis Stinger em aviões militares foi desenvolvido por homens em Newburgh, Nova Iorque, e uma idéia fantasiosa de voar modelos de aviões carregados de explosivos contra o Pentágono e o Capitólio foi idealizada em Massachusetts.

Mas todos estes dramas foram facilitados pelo FBI, cujos agentes e informantes a paisana colocados como terroristas, oferecendo um míssil falso, falsos explosivos C-4, um colete suicida desarmado e treinamento rudimentar. Suspeitos ingenuamente fizeram suas partes até que eles foram presos.

Quando um estudante universitário Oregon, Mohamed Osman Mohamud, pensou em usar um carro-bomba para atacar um árvore de natal na cerimônia de iluminação festiva em Portland, o FBI proporcionou uma van carregada com seis tambores de 55 galões de “material inerte”, detonadores inofensivos, um cordão detonador e um galão de óleo diesel para fazer a van ficar com cheiroinflamável. Um agente do FBI disfarçado ainda fez a condução, com o Sr. Mohamud no banco do passageiro. Para acionar a bomba o aluno teclou um número em um celular e não houve explosão.

Isso é legal, mas é legítimo? Sem o FBI, os culpados cometeriam violência por conta própria? Cultivar potenciais terroristas é o melhor uso da mão de obra projetada para encontrar os reais terroristas? A julgar por suas respostas oficiais, o FBI e o Departamento de Justiça estão seguros de si, seguros demais talvez.

Operações Sting (onde o agente faz papel de parceiro ou potencial vítima) cuidadosamente orquestrada costumam realizar-se no tribunal. Réus invariavelmente alegam que

foi uma armadilha e quase sempre perdem, porque a lei exige que eles não mostrem predisposição para cometer o crime, mesmo quando induzidos por agentes do governo. Para enfatizar a sua predisposição, muitos suspeitos são “alertados sobre a gravidade dos seus planos e é dada oportunidade para voltarem atrás”, disse Dean Boyd, porta-voz do Departamento de Justiça. Mas nem sempre, é o que as conversas gravadas mostram. Às vezes, eles são estimulados a continuar.

Operações secretas, muito praticadas pelo FBI, tornaram-se um dos pilares da luta contra o terrorismo, e eles mudaram em resposta ao foco na prevenção pós-11 de setembro. “Antes do 11/9 seria muito incomum para o FBI apresentar uma oportunidade crime que não estava no escopo das atividades em que a pessoa já esteve envolvida”, disse Mike German, da União de Liberdades Civis Americanas, advogado e ex-agente do FBI, que se infiltrou grupos supremacistas brancos. Um suposto traficante de drogas seria criado para vender drogas a um agente disfarçado, um traficante de armas, para vender armas. Isso ainda acontece rotineiramente, mas nem tanto em contra-terrorismo, e por boas razões.

Não exite um negócio de terrorismo nos Estados Unidos, graças a Deus“, explicou David Raskin, um ex-promotor federal.

Você não vai ser capaz de ir na esquina e encontrar alguém que já tenha explodido alguma coisa“, disse ele. Portanto, o objetivo habitual não é “encontrar alguém que já está envolvido em terrorismo, mas encontrar alguém que iria aproveitar a oportunidade, se um terrorista de verdade aparecer na cidade.”

E essa é a área cinzenta. Quem é suscetível? Qualquer um que jogar junto com os agentes, aparentemente. Uma vez que o laço for definido, a aplicação da lei não vê escolha. “Ignorar estas ameaças não é uma opção“, disse Boyd, argumentando, “dada a possibilidade de que o suspeito poderia agir sozinho em qualquer tempo ou encontrar alguém disposto a ajudá-lo.”

Normalmente, a operações Sting inicialmente  focam em alvos suspeitos por puro discurso – comentários a um informante fora de uma mesquita, postagens de raiva em sites, e-mails com radicais no exterior , e em seguida, os atrai para um relacionamento com os informantes, que muitas vezes são criminosos condenados que trabalham em troca de clemência , ou agentes do FBI que se apresentam como membros da Al Qaeda ou outros grupos.

Alguns alvos têm envolvimento anterior em mais do que uma simples conversa fiada: por exemplo, Waad Ramadan Alwan, um iraquiano em Kentucky, cujas impressões digitais foram encontradas em uma bomba explodida perto Bayji, Iraque e também Raja Khan de Chicago, que enviou recursos para um líder da Al Qaeda no Paquistão.

Mas outros parecem ambivalente, incompetente e sem rumo, como infelizes wannabes que procuram uma causa que o informante ou agente disfarçado habilmente os ajuda a encontrar. Pegue o réu do míssil Stinger James Cromitie, um traficante de drogas de baixo nível com uma ficha criminal que não incluía nenhuma violência ou crime de ódio, apesar de sua retórica violenta contra os judeus. “Ele estava em busca de respostas dentro de sua fé islâmica“, disse seu advogado, Clinton W. Calhoun III, que recorreu da sentença. “E eu acho que este informante, que torceu a busca de uma forma realmente muito terrível, desorientou Cromitie de forma equivocada em sua busca e o colocou em direção à violência.”

O informante, Shahed Hussain, havia sido acusado de fraude, mas evitou prisão e deportação trabalhando disfarçado em outra investigação. Ele estava sendo pago pela FBI para se passar por um rico paquistanês com ligações com Jaish-e-Mohammed, um grupo terrorista que o Sr. Cromitie aparentemente nunca tinha ouvido falar antes de eles se encontraram por acaso no estacionamento de uma mesquita.

Irmão, você já tentou fazer alguma coisa pela causa do Islã?” Mr. Hussain perguntou em certo ponto.

OK, irmão“, mr. Cromitie respondeu com cautela, “onde quer chegar com isso, irmão?

Dois dias depois, o informante lhe disse: “Allah tem mais trabalho para você fazer“, e acrescentou, “A revelação virá em seus sonhos , de que você tem que fazer isso, ok?” Cerca de 15 minutos depois, o Sr. Hussain propôs a idéia de usar mísseis, dizendo que ele poderia trazê-los em um recipiente da China. Mr. Cromitie riu.

Ler centenas de páginas de transcrições das conversas gravadas é como olhar para as manchas de tinta de um teste de Rorschach. Padrões de vontade e hesitação se sobrepõem e se fundem. “Eu não quero que ninguém se machuque“, disse Cromitie disse, e então explicou que ele quis dizer mulheres e crianças. “Eu não me importo se é toda uma sinagoga cheia de homens.” Demorou 11 meses de discussão sinuosa e uma promessa de 250 mil dólares para levá-lo, junto com outros três co-conspiradores que ele recrutou, a plantar bombas falsas em duas sinagogas em Riverdale no Bronx.

Só o governo poderia teria transformado o Sr. Cromitie em terrorista, cuja bufonaria é positivamente Shakespeariana no seu escopo“, disse o juiz Colleen McMahon, ao sentenciá-lo a 25 anos. Ela classificou como uma “operação de terror de fantasia“, mas chamou a tentativa “além do desprezível” e rejeitou sua pretensão de alegar que tudo foi uma armadilha.

A declaração do juiz foi incomum, mas as características do Sr. Cromitie não eram. Sua incompetência e ambivalência podem ser encontradas entre outros aspirantes a terroristas cujos planos grandiosos foram alimentados por agentes da lei. Eles incluíram homens que queriam atacar as linhas de combustível no Aeroporto Internacional Kennedy; destruir a Torre Sears (hoje Willis Tower) em Chicago; realizar um atentado suicida perto de Tampa Bay, na Flórida, e colocar bomba em metrôs em Nova York e Washington. Dos 22 planos mais assustadores para os ataques desde 11 de setembro, 14 foram desenvolvidos em operações sting.

Outra trama no metrô de Nova York, que recentemente foi a julgamento, não precisou de ajuda do governo. Nem a tentativa de atentado em Times Square, o homem com bomba abortada na cueca em um avião sobre Detroit, um ataque planejado em Fort Dix, NJ, e vários esforços menores. Algumas ameaças são reais, outras nem tanto. No terrorismo, não é fácil dizer a diferença.

David K. Shipler é o autor de “Direitos em Risco: Os limites da liberdade na América moderna.”

Fonte:

New York Times: Terrorist Plots, Hatched by the F.B.I.

 


Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>