«

»

jul 01

Estudo: Mortalidade Infantil Aumenta Junto com a Quantidade de Vacinas Administradas em Crianças de até um Ano

GD Star Rating
loading...

Um novo estudo publicado em uma prestigiosa revista médica encontrou uma ligação estatística direta entre a quantidade de doses de vacina administradas em crianças e uma maior taxa de mortalidade infantil nos países desenvolvidos, sugerindo que o aumento do número de inoculações obrigatórias aplicadas em crianças pelas autoridades médicas, particularmente nos Estados Unidos, que administra o maior número de vacinas e também tem o maior número de óbitos infantis, tem de fato um impacto negativo sobre a saúde.  O Brasil segue a mesma tendência, como veremos mais adiante.

O estudo, entitulado “As Taxas de Mortalidade Infantil Diminuem em Relação ao Número de Doses de Vacina Aplicadas Rotineiramente: Há uma Toxicidade Sinergística ou Bioquímica?”, foi realizado por Neil Z. Miller e S. Gary Goldman. O estudo foi publicado na respeitável revista “Toxicologia Humana e Experimental“, que é indexada pela Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA . Apesar dos Estados Unidos administrar o maior número de doses de vacina às crianças em todo o mundo desenvolvido, chegando a 26 antes da criança atingir a idade de um ano, a sua taxa de mortalidade infantil é superior a 33 outras nações, sendo que todas estas administram menos vacinas. O estudo ilustra claramente o fato de que os países desenvolvidos que administram menos vacinas têm menores taxas de mortalidade infantil, sugerindo uma ligação estatística direta entre os efeitos colaterais da vacinação e os óbitos infantis.

Por exemplo, os dois países desenvolvidos onde as crianças precisam ser imunizadas com menos quantidade de vacinas, Japão e Suécia, estão no topo do quadro com as menores taxas de mortalidade infantil.

O número de doses neste estudo não é o número de vacinações, já que algumas vacinas contém até quatro doses de diferentes tipos de vacina (ex: DTP+Hib, ou a trivalente da gripe). O número de doses mostrado no estudo corresponde à soma da quantidade de tipos diferentes de antígenos em cada vacina vezes a quantidade de aplicações de cada uma.

Os EUA conta com 28 vacinas em seu calendário vacinal, tendo uma taxa de mortalidade de 6.22 (taxa de mortalidade é o número de mortes de crianças até um ano a cada 1000 crianças) . O Japão por exemplo, apresenta uma taxa de mortalidade infantil de 2,79 e seu calendário de vacinas inclui apenas 12 doses. A Suécia, que tem uma taxa de 2,75, administra também apenas 12 vacinas em crianças de até 1 ano de idade.

Situação do Brasil

O Brasil, um dos líderes em campanhas de vacinação, um título que não nos traz nenhum orgulho, administra um total de 20 vacinas e 30 doses obrigatórias em crianças até um ano de idade (veja o calendário de vacinação). Podemos acrescentar a este número as vacinas da gripe,  recomendadíssima pela Anvisa este ano para crianças de 6 meses em diante. Não consegui encontrar uma estatística com a quantidade de crianças vacinadas, mas pelo que pude constatar pessoalmente, uma grande parte foi. Pelo que eu sei a vacinação contra a gripe este ano era trivalente, contendo inclusive a vacina contra o H1N1, e em duas etapas, o que totaliza 6 doses. Total número de doses no Brasil, 36!

As vacinas administradas a crianças de até um ano são: BCG (1 dose), DTP+Hib (4 tipos*3 doses=12) , Poliomielite (3 doses) , Hepatite B(3 doses), Pneumocócica(3 doses), Rota-vírus (2 doses), Meningite C (2 doses), Febre Amarela (1 dose), Tríplice-SCR (3 tipos 1 dose=3) Gripe (3 tipos * 2 doses=6)=36. São 36 doses em 20 vacinações.

O Brasil tem uma taxa de mortalidade infantil altíssima, embora o número exato varie conforme a fonte. De acordo com esta reportagem do G1 de maio de 2010, que cita um estudo do Jornal Médico Lancet, no Brasil morrem 19,88 crianças a cada mil. Já em um estudo da ONU que é usado nesta tabela da wikipedia em inglês, a mesma taxa aparece como 23,47. A mesma página da wikipedia em português apresenta a taxa de 23,6. Claro que a alta taxa se deve também a outros fatores, como a falta de saneamento básico e a fome, mas vemos que a quantidade absurda de vacinas e a taxa de mortalidade infantil condiz com a suposta ligação apresentada no estudo.

Um outro fato interessante (e preocupante) que é mostrado no estudo é como a Síndrome de Morte Súbita Infantil (SMSI), que era quase inexistente até o início das campanhas de vacinação, se tornou nos EUA a principal causa de morte pós-natal (de 28 dias até um ano). No Brasil não existe nenhuma estatística semelhante.

Para os leitores novos no blog, eu recomendo dar uma lida nos vários posts sobre o assunto, especialmente este, que agrega as mais reveladoras notícias sobre a suposta pandemia e a vacinação contra o H1N1.

Sugiro também assistir ao filme “VACINAÇÃO: A VERDADE OCULTA”.

Estudo:
Infant Mortality Rates Regress w Higher No. of Vaccine Doses

Fontes:
Estudo: Infant mortality rates regressed against number of vaccine doses routinely given: Is there a biochemical or synergistic toxicity? (PDF) (PDF no Scribd)
G1: Mortalidade infantil no Brasil cai 61% em 20 anos, diz estudo
Wikipedia (Português): Lista de Países por Taxa de Mortalidade Infantil
Wikipedia (Inglês): Lista de países por índice de mortalidade infantil
Min. da Saúde: Calendário de Vacinação no Brasil

Estudo: Mortalidade Infantil Aumenta Junto com a Quantidade de Vacinas Administradas em Crianças de até um Ano, 9.3 out of 10 based on 4 ratings

Artigos relacionados:

1 comentário

  1. Mauricio

    Obrigado pelo seu trabalho esta nos ajundado muito.

    Gostei or Não: Positivo 0 Negativo 0

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>