«

»

dez 01

Bomba: Documentos das Nações Unidas Mostram Planos para Usar os Cientistas do Climategate para Eliminacao da Soberania Nacional

GD Star Rating
loading...

Escandalosos documentos estratégicos recém-descoberto da ONU revelam como os elitistas estão recrutando membros acadêmicos de todo o mundo em um esforço para esconder a guinada final na soberania nacional, enfatizando como os bandidos do climategate que foram recentemente pegos com a mão na massa manipulando dados científicos a fim de “ocultar o declínio” do aquecimento global estão trabalhando diretamente com as Nações Unidas na busca de um governo mundial sob o pretexto da fraude do aquecimento global que estão ajudando a perpetrar.

Um dos trabalhos de planejamento, intitulado “A UNEP que queremos“, foi produzido por um grupo especialmente selecionado de influentes burocratas ambientais e entregue ao Diretor Executivo do UNEP, Achim Steiner.

O Programa Ambiental Das Nações Unidas (PNUA) é a entidade reguladora que estabeleceu o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), uma organização politizada que tentou suprimir o ceticismo sobre o aquecimento global, afirmando que é a autoridade suprema, apesar dos cientistas utilizados pelo IPCC terem sido pegos manipulando dados e conspirando para ocultar provas de resfriamento global durante o escândalo climategate.

O IPCC tentou negar a gravidade do climategate, alegando que não tem nenhuma influência sobre as suas conclusões sobre o aquecimento global, apesar do fato de que os cientistas da Universidade de East Anglia terem usado de intimidação e caça às bruxas acadêmicas para garantir que os dados que eles não concordavam politicamente seriam impedidos de aparecer no relatório da quarta avaliação do IPCC (AR4), que foi publicado em 2007.

Os participantes que contribuíram para o UNEP incluíram Janos Pasztor, atualmente chefe da equipe que está impulsionando a campanha de lobby sem precedentes do Secretário Geral da ONU Ban Ki-moon Seal para pressionar os governos dos países membros da ONU para assinar um novo acordo ambiental em Copenhague, Dominic Waughray, atualmente chefe das iniciativas ambientais do Fórum Econômico Mundial, e Maria Ivanova, búlgara e acadêmica, diretora do Projeto de Governança Econômica Global, no Centro Yale para o Direito Ambiental e da Política.

O primeiro documento é muito semelhante a um segundo documento UNEP segundo, intitulado “Proposta Estratégica de Médio Prazo 2010-2013″.

Os documentos descrevem um programa de implementação de um sistema global de governança baseado em torno de regulamentos e leis ambientais, enfatizando a agenda para a “natureza evolutiva do fortalecimento da governança ambiental internacional.”

O objetivo defendido pelo documento é de elevar a influência do UNEP para uma posição em que ditaria regras para os países , ao invés de os países serem os supervisores do UNEP, como é o caso.

Os documentos discutem sobre o recrutamento de acadêmicos para aumentar o poder do UNEP, digno de registro, à luz do recente escândalo climategate onde os cientistas das principais universidades foram pegos escondendo provas de resfriamento global.

“Como um jornal suíço coloca, o UNEP “deve ser pioneiro em um novo estilo de trabalho. Isto exige ir além de uma interpretação restritiva das partes interessadas do UNEP como os seus Estados membros – ou até mesmo um governo mundial – e recrutar uma comunidade muito mais ampla de apoio, na sociedade civil, do mundo acadêmico e do setor privado. “Ao mesmo tempo o papel adverte que esses grupos precisam ser “aproveitado para a missão do UNEP sem transparecer que estao em uma guinada ao redor dos governos dos países membros”, resume George Fox News ‘Russell.

Essa passagem é bastante contundentes, como a ONU está sem dúvida admitindo que o programa representa uma “guinada final ao redor dos governos dos países membros”, e que eles têm que fazer o seu melhor para esconder o fato. Que os acadêmicos devem ser atreladas à missão do UNEP “e não a produção imparcial dados científicos sobre o aquecimento global também revela como a questão das alterações climáticas tem sido desviada para atender as exigências de uma elite global para um governo mundial.

O primeiro documento também apela para um “Bretton Woods Ambiental para o Século 21″, onde a agenda ambiental está intrinsecamente ligada à economia e oo papel da ONU de ter o comando sobre as economias dos governos nacionais.

Os objetivos incluídos no documento de estratégia de quatro anos incluem “esforços a nível local, nacional e global” para aumentar o “financiamento suficiente para enfrentar os desafios ambientais, incluindo as alterações climáticas”, que se traduz a como usar o problema do aquecimento global para levantar dinheiro para o funcionamento da estrutura de governo global, que está sendo sugerido nos documentos de planejamento.

Este documento representa ainda uma outra prova de que o movimento de culto ao clima tem tudo a ver com a expansão do poder ditatorial, um governo global não eleito, diluindo os poderes dos estados-nação, tomando o controle da economia global, destruindo com a classe média através de uma série de novos regulamentos e leis, e fechando com a indústria com impossível negligencias de redução de CO2, enquanto eleva o ambientalismo, que é realmente um fino véu de fascismo global, a posição de uma nova religião universal.

Isto não tem nada a ver com salvar a Terra e, como o escândalo climategate ilustrou, nada a ver com a ciência real – mas tudo a ver com um grupo relativamente pequeno de globalistas atropelando a própria humanidade em busca da sua agenda malthusiana louca pelo poder.

Fontes:
Bombshell UN Documents Outline Plan To Use Climategate Crooks In “End Run” Around National Sovereignty

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>